Comissão Europeia aprova compra da Fitbit pela Google, mas exige remédios

  • Lusa
  • 17 Dezembro 2020

A Comissão Europeia decidiu aprovar a compra da Fitbit pela Google, mas exigiu remédios para evitar que a multinacional impeça eventuais concorrentes de competirem no mercado.

A Comissão Europeia aprovou a compra da Fitbit pela “gigante” Google, mas a operação sujeita ao “cumprimento integral” de compromissos pela tecnológica, anunciou o executivo comunitário.

A aprovação condicionada surge após uma investigação aprofundada da transação proposta em junho passado. A Fitbit tem uma quota de mercado limitada na Europa no segmento de relógios inteligentes e de desporto (smartwatches), que está em rápido crescimento e no qual estão presentes concorrentes muito maiores, como Apple, Garmin e Samsung.

Para a Comissão Europeia, este negócio “leva a sobreposições horizontais muito limitadas entre as atividades da Google e da Fitbit”, mas causa preocupações no que toca à publicidade, ao acesso ao mercado dos cuidados de saúde digitais concorrentes e ainda ao eventual desgaste perante interligação com o sistema operativo Android.

A Comissão referiu também que “alguns participantes no mercado, que consideram que a Google já tem uma presença significativa no setor da saúde digital, manifestaram a preocupação de que a Google possa obter uma vantagem competitiva neste setor através da combinação das bases de dados da Google e da Fitbit a um nível tal que os concorrentes deixem de ser capazes de competir”.

Ainda assim, “a investigação aprofundada da Comissão não confirmou tais preocupações porque o setor dos cuidados de saúde digitais ainda está a nascer na Europa com muitos atores ativos neste espaço”. Para evitar impactos negativos do negócio na concorrência no Espaço Económico Europeu, a operação foi sujeita a remédios.

“Podemos aprovar a proposta de aquisição da Fitbit pela Google porque os compromissos assegurarão que o mercado de artigos e o espaço de saúde digital nascente se manterão abertos e competitivos”, declarou a vice-presidente executiva da Comissão Europeia com a pasta da Concorrência, Margrethe Vestager.

A comissária adiantou que “os compromissos determinarão como a Google poderá utilizar os dados recolhidos para fins publicitários, como será salvaguardada a interoperabilidade entre os artigos concorrentes e o Android, e como os utilizadores poderão continuar a partilhar os dados de saúde e de fitness, se assim o desejarem”.

Os remédios determinados pela Comissão têm uma duração inicial de 10 anos, podendo ser renovados, e assentam numa “divisão técnica” entre os sistemas da Fitbit e da Google, para evitar que esta última assuma uma posição dominante de mercado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia aprova compra da Fitbit pela Google, mas exige remédios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião