Bruxelas abre investigação aprofundada a compra da Fitbit pela Google

  • Lusa
  • 4 Agosto 2020

Bruxelas receia que, com a compra da Fitbit, a Google reforce ainda mais a sua posição no mercado da publicidade online, aumentando a já vasta quantidade de dados que a Google poderia utilizar.

A Comissão Europeia abriu uma investigação aprofundada para avaliar a proposta de aquisição da Fitbit pela Google por receio de que esta veja reforçada a sua posição no mercado da publicidade ‘online’.

Segundo um comunicado, Bruxelas tem agora um período de 90 dias úteis, até 9 de dezembro, para tomar uma decisão, ao abrigo do Regulamento das Concentrações da União Europeia (UE).

A Comissão Europeia receia que, com a compra da Fitbit, a Google reforce ainda mais a sua posição no mercado da publicidade online, aumentando a já vasta quantidade de dados que a Google poderia utilizar para personalizar os anúncios que serve e exibe.

Após uma primeira fase de investigação – o executivo comunitário foi notificado da transação em 15 de junho e não ficou satisfeito com as respostas submetidas pela Google em 13 de julho -, a Comissão preocupa-se com o impacto da transação no fornecimento de serviços de pesquisa e exibição de publicidade online (a venda de espaço publicitário, respetivamente, na página de resultados de um motor de pesquisa na Internet ou noutras páginas da Internet).

O impacto no fornecimento de serviços ad tech (ferramentas analíticas e digitais utilizadas para facilitar a venda e compra programática de publicidade digital) é outra dúvida comunitária.

Ao adquirir a Fitbit, defende a Comissão Europeia, a Google adquiriria a base de dados mantida por esta sobre a saúde e a aptidão dos seus utilizadores e a tecnologia para desenvolver uma base de dados semelhante à da produtora de ‘smartwatches’.

A Google anunciou a 1 de novembro de 2019 um acordo para a compra da empresa norte-americana Fitbit por 2,1 mil milhões de dólares (perto de 1,9 mil milhões de euros). O acordo pode colocar a Google em concorrência direta com a Apple e a Samsung no mercado altamente competitivo de ‘smartwatches’ e outros dispositivos móveis, mas levanta questões sobre privacidade e domínio do Google no setor da tecnologia.

O anúncio sobre a compra da Fitbit veio acompanhado da promessa de que não serão usadas informações relativas a dados pessoais, saúde e bem-estar para anúncios da Google.

A Fitbit é pioneira na tecnologia de dispositivos fitness portáteis, fabricando uma variedade de produtos, desde detetores básicos que contam os passos diários do utilizador a ‘smartwatches’ que exibem mensagens e notificações de telefones.

Os dispositivos são utilizados em atividades como ciclismo e natação e permitem registar batimentos cardíacos e padrões de sono. Aos utilizadores, a Fitbit pede normalmente dados como a data de nascimento, sexo, altura e peso para ajudar, por exemplo, a estimar calorias perdidas.

Algumas pessoas usam a aplicação da Fitbit para gravar o que comem e bebem. A empresa conta com 28 milhões de utilizadores em todo o mundo e já vendeu mais de 100 milhões de dispositivos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas abre investigação aprofundada a compra da Fitbit pela Google

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião