Tensões entre Washington e Pequim pressionam Wall Street

Os mercados norte-americanos abriram a segunda sessão da semana com perdas, ainda que ligeiras, face às tensões crescentes entre os Estados Unidos e a China por causa do TikTok.

A crescente tensão entre as duas maiores potências económicas do mundo, os Estados Unidos e a China, em torno da eventual compra da operação norte-americana da rede social chinesa TikTok pela Microsoft está a pressionar Wall Street, esta terça-feira. Depois de ter disparado mais de 5%, a gigante fundada por Bill Gates está agora a negociar em “terreno negativo”.

O índice de referência, o S&P 500, abriu a desvalorizar 0,17% para 3.289,10 pontos. Também o tecnológico Nasdaq recua 0,04% para 10.898,17 pontos e o industrial Dow Jones desce 0,09% para 26.641,46 pontos.

Na terça-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que a rede social TikTok terá de encerrar as suas operações a 15 de setembro, a não ser que a chinesa ByteDance venda a plataforma. Em reação, o jornal do regime chinês China Daily afirmou que o país não aceitará o “roubo” da empresa em questão. Na sessão desta terça-feira, os títulos da Microsoft — gigante que está em negociações para adquirir a filial norte-americana do TikTok — estão, por isso, a desvalorizar: caem 1,6% para 213,08 dólares.

Nesta sessão, destaque ainda para os títulos do Insurer American International Group Inc, que descem 7,19% para 29,83 dólares, depois de a empresa ter apresentado uma quebra de 56% dos seus lucros, no últimos trimestre. Em “terreno negativo” estão também as ações da Spirit AeroSystems, que caem 6,88% para 18,15 dólares, depois de a empresa ter anunciado perdas ainda maiores do que as esperadas.

A seguir essa tendência negativa estão ainda os títulos da Ralph Lauren, que desvalorizam 6,77% para 65,00 dólares. A marca de moda não concretizou as expectativas relativas às receitas do último trimestre.

Além dos resultados empresariais, os investidores têm, de resto, os olhos postos nos sinais de progresso na negociação do quinto pacote de apoios públicos, que está a acontecer atualmente no Congresso norte-americano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensões entre Washington e Pequim pressionam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião