Segurança é a nova prioridade. Marcas desenham produtos que “matam” o vírus

Ford e Samsung são dois exemplos de marcas que estão a estudar produtos capazes de "matar" o novo coronavírus. Porque a segurança é a nova prioridade.

Chamam-lhes PPE – Personal Protective Equipment, equipamentos de proteção pessoal que, para além da sua função tradicional, chegam agora ao mercado com uma outra missão: a de proteger os consumidores contra a nova grande ameaça do dia-a-dia, os vírus, como aquele provoca a Covid-19. E já não se tratam apenas de luvas, máscaras ou álcool-gel.

No mais recente relatório da Wunderman Thompson Intelligence, esse era um dos temas em análise, dando ainda alguns exemplos de setores e marcas que já entenderam que a segurança é, atualmente, uma prioridade no pensamento de compra dos consumidores.

Um desses exemplos apontados está no setor automóvel. Com o sentimento de insegurança e as pessoas a encontrarem refúgio nas viaturas próprias, há marcas a trabalhar na melhoria do ar.

A Ford, por exemplo, está a trabalhar num sistema de desinfeção do ar que circula no interior dos carros. O software aumenta a temperatura ambiente até 56 graus durante 15 minutos, o que permitirá ajudar a eliminar o vírus. O teste foi conduzido com microbiologistas da Universidade do Ohio e, segundo o relatório, poderá vir a ser usado pela polícia de Nova Iorque, que tem cerca de 9.000 veículos desta marca.

Já a Samsung, dentro das suas várias unidades de negócio, pensou no problema da contaminação das casas, através das roupas e objetos pessoais, como carteiras e telemóveis. No mercado norte-americano, acaba de lançar um smart closet que desinfeta as roupas que forem colocadas lá. O Air Dresser já tinha sido apresentado em 2018, mas surge agora com novas funções, como a capacidade de matar vírus em diferentes roupas e tecidos. A eficácia rondará os 99,9%, assegura a marca.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Segurança é a nova prioridade. Marcas desenham produtos que “matam” o vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião