Depois do primeiro dia sem mortes, há mais um óbito e 112 novos casos de Covid-19

Foram identificados 112 novos casos de contágio pelo coronavírus em Portugal nas últimas 24 horas. O número total de pessoas infetadas subiu para 51.681.

Portugal registou 112 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 51.681 o número de infetados desde o início da pandemia, revelou a Direção-Geral da Saúde. Trata-se de uma subida de 0,22% face ao dia anterior.

Nas últimas 24 horas morreu mais uma pessoa com a doença, um dia depois de Portugal ter registado o primeiro dia sem qualquer óbito a lamentar, desde março. Assim, desde que a a pandemia chegou a Portugal, a 2 de março, já morreram 1.739 pessoas vitimas da Covid-19, sendo que este último óbito foi registado na região Norte.

Quanto ao número de pessoas dadas como recuperadas, são agora 37.318. Ou seja, mais 207 pessoas face ao balanço anterior.

No seguimento do que se tem vindo a observar desde meados de maio, a maioria das novas infeções foi registada na região de Lisboa e Vale do Tejo. Foram identificados 68 novos casos nesta região, o que representa 60,71% do total.

Boletim epidemiológico de 4 de agosto:

A Grande Lisboa é, assim, a zona do país com mais casos registados até ao momento (26.457 casos de infeção e 606 mortes), surgindo à frente do Norte (18.816 casos e 829 mortes), do Centro (4.475 casos e 252 mortes), do Algarve (901 casos e 15 mortes) e do Alentejo (746 casos e 22 mortes). Nas regiões autónomas, os Açores registam 169 casos e 15 mortos, enquanto a Madeira tem 117 pessoas infetadas.

Quanto à caracterização clínica, a maioria dos infetados está a recuperar em casa, sendo que 401 estão internados (mais 11 face ao dia anterior), dos quais 44 em unidades de cuidados intensivos (mais dois). Há 1.451 pessoas a aguardar resultados laboratoriais, enquanto quase 37 mil pessoas estão sob vigilância das autoridades de saúde.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h01)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do primeiro dia sem mortes, há mais um óbito e 112 novos casos de Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião