Microsoft dispara mais de 5%. Wall Street em alta

Donald Trump deu aprovação informal à compra do TikTok pela Microsoft, o que animou os investidores, na primeira sessão de agosto.

As bolsas dos Estados Unidos encerraram em alta na primeira sessão de agosto, com os investidores animados face à possibilidade de a Microsoft vir mesmo a comprar a operação norte-americana da rede social chinesa Tik Tok.

O índice de referência, o S&P 500, valorizou 0,77% para 3.296,22 pontos. Também em “terreno positivo” ficou o tecnológico Nasdaq, que subiu 1,47% para 10.903,55 pontos e fechou em recorde. O industrial Dow Jones somou 0,94% para 26.676,32 pontos.

Na sessão desta segunda-feira, destaque para os títulos da Microsoft, que dispararam 5,62% para 216,54 dólares. A gigante está em negociações para comprar a filial norte-americana do Tik Tok, o que está a dar alento aos investidores.

Esta tarde, Donald Trump anunciou que esta rede social terá de encerrar as suas operações a 15 de setembro a não ser que a chinesa ByteDance venda a plataforma. O presidente norte-americano não mostrou, de resto, qualquer oposição à eventual compra pela Microsoft, dando a sua aprovação informal à aquisição em causa.

Outro negócio que animou os mercados esta segunda-feira foi a eventual compra pela Google de uma fatia de cerca de 7% da ADT, empresa de segurança de domicílios, por 450 milhões de dólares. As ações da ADT subiram, por isso, 56,56% para 13,48 dólares.

“Os mercados estão a viver em torno da possibilidade de novas fusões e aquisições. Tal significa que os diretores executivos estão mais confiantes sobre o futuro“, explica o analista Jake Dollarhide, citado pela Reuters. Na tecnologia, destaque ainda para os títulos da Apple, que somaram 2,52% para 435,75 dólares, face aos bons resultados registados no último trimestre.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Microsoft dispara mais de 5%. Wall Street em alta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião