Mário Centeno pede prudência aos bancos na distribuição de dividendos

Governador do Banco de Portugal deixa um aviso aos banqueiros: "Ninguém compreenderia que colocassem em risco as instituições que dirigem nesta fase".

O governador do Banco de Portugal deixou um recado aos bancos em relação aos dividendos. Ainda que o BCE tenha aberto a porta à distribuição de lucros aos acionistas, Mário Centeno considera que o sistema deve continuar a fazer um esforço de “preservação de capital” e manter-se como a parte da solução da crise. E avisou que os banqueiros têm uma “responsabilidade cívica” de salvaguardar a estabilidade dos bancos que dirigem.

“O sistema (…) deve fazer neste momento um esforço de preservação de capital e deve estar preparado para continuar a ser parte da solução, como aliás foi até aqui”, afirmou Mário Centeno esta quinta-feira durante a apresentação do Relatório da Estabilidade Financeira de dezembro de 2020.

O pedido aos bancos surge depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter atualizado esta semana a recomendação aos bancos em relação aos dividendos: os dividendos vão continuar restringidos até setembro de 2021, mas os bancos podem distribuir até 15% dos lucros acumulados em 2019 e 2020, num máximo até 20 pontos base do rácio CET 1.

Centeno quer prudência. E põe ênfase nas decisões que poderão vir a ser tomadas pelos responsáveis dos bancos em relação a este capítulo, dizendo que “é uma responsabilidade cívica” assegurar a estabilidade dos bancos nesta fase da crise da pandemia.

“Essa é uma responsabilidade quase que cívica que recai sob os seus dirigentes como decisores económicos que são. Da maior importância, aliás. Ninguém compreenderia que colocassem em risco as instituições que dirigem nesta fase”, sublinhou o governador do Banco de Portugal.

Centeno frisou depois que espera ver os bancos a usarem “o seu capital para absorver perdas e emprestar dinheiro à economia”. “Temos visto ao longo dos últimos meses o reconhecimento precoce de perdas associadas com a pandemia. Ainda que variando de jurisdição para jurisdição e banco para banco na mesma jurisdição, isso tem se vindo a materializar”, disse.

(Notícia atualizada às 11h50)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Mário Centeno pede prudência aos bancos na distribuição de dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião