Neste livro há soluções para os desafios do trabalho remoto

  • Mariana de Araújo Barbosa
  • 28 Dezembro 2020

António Vilaça Pacheco e Fernando Moreira juntaram-se para escrever um livro que consiga entregar soluções para os desafios do trabalho remoto. A Pessoas partilha um excerto da obra em primeira mão.

Uma “reflexão sobre o futuro do trabalho”. António Vilaça Pacheco e Fernando Moreira juntaram-se para escrever um livro que consiga entregar soluções para os desafios do trabalho remoto, tanto do lado do trabalhador como do da empresa. “Fruto da experiência de ambos por gerirem empresas capazes de funcionar 100% remotas, sintetizaram os temas mais importantes com ferramentas e princípios para conseguirmos trabalhar com sucesso a partir de qualquer lugar, aumentando a nossa qualidade de vida e liberdade pessoal”, explica a Self Editora à Pessoas.

Escrito a quatro mãos, o livro “Tele Trabalho – Princípios e ferramentas práticas para o trabalho remoto” é um guia para trabalhar remotamente. A Pessoas partilha um excerto da obra em primeira mão.

Editora: Self Editora

Como escrevemos a quatro mãos

Escrever um livro a duas mãos (ou a quatro, visto que teclamos com ambas) é sempre um desafio. Mas quando este projeto nasceu na minha cabeça ele tinha as nossas caras. Curioso que acabámospor colocá‐las na capa! Acredito que escrevemos a quatro mãos com a naturalidade que isso exige, sem que tivéssemos que criar barreiras ou tabus de estrutura que castrassem a nossa capacidade de entregar valor.

Coube‐nos o desafio de escrever um livro que fosse acima de tudo um somatório de valor às pessoas que o lessem. Vão encontrar no livro, momentos em que falamos juntos e momentos onde um de nós partilha alguma experiência mais pessoal. Achámos que não era importante fazer clivagens no discurso para introduzir essas partilhas. E achámos que retirar as partilhas pessoais era despersonalizar e retirar uma intimidade que queríamos manter convosco (leitores). Esperamos que funcione.

Tu

Sabemos que não é comum. Mas ainda assim, decidimos tratar‐te por tu. Este livro tem um caráter especial e quer‐se o mais direto possível. Escolhemos tratar o leitor por tu e estamos muito satisfeitos pelo resultado ser um livro mais intimista e amigável, permitindo uma comunicação que funciona muito melhor do que tratando por você. (Cheers, Fernando!)

A Jornada do Herói

Decidimos encarar o livro tal como se encara uma missão ou uma aventura. E quando o escrevemos decidimos que a leitura do livro seria também uma aventura para o leitor. Em todas as aventuras de heróis existe um percurso, uma estrutura. E foi esse percurso que desejámos a todos os heróis que querem evoluir e perceber melhor o teletrabalho.

Em primeiro lugar o herói coloca em causa. E para isso escrevemos o capítulo I. Porquê teletrabalho? Como seria a nossa vida com trabalho remoto, mas também como seria o mundo? Este é o momento épico do “colocar em causa”. Percorrido este caminho, o herói depara‐se com os seus inimigos e os seus desafios. Muitas vezes, desafios que implicam o seu crescimento pessoal. Para enfrentar as suas fraquezas, precisa de reconhecê‐las e lidar com elas. Para esse processo escrevemos o capítulo II.

Mas em todas as histórias de heróis há o momento de reconhecer e crescer. Melhorar para vencer o adversário. Inclusivamente encontrar aliados que o permitam vencer a batalha. E para estas ferramentas de crescimento e aliados, complementamos o capítulo II com o capítulo III. No final, o herói clássico vence as dificuldades e geralmente encontra a sua recompensa. É assim que chamamos ao capítulo IV, esperando que sejamos capazes de encontrar o tesouro. Acreditamos que ao funcionarmos bem em trabalho remoto ou teletrabalho, ganhámos uma habilidade extra. Um talento acrescido. Uma mais valia que nos trará sempre valor face a não estarmos capazes ou preparados para esse cenário. Mesmo se decidirmos que não o faremos por norma. Vamos à aventura?”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Neste livro há soluções para os desafios do trabalho remoto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião