Dívida pública desce mil milhões de euros em novembro e alivia de recorde

A dívida pública, na ótica de Maastricht, desceu mil milhões de euros em novembro para os 267 mil milhões de euros, aliviando de um recorde alcançando em outubro.

A dívida pública, na ótica de Maastricht (a que interessa a Bruxelas), desceu 1.068 milhões de euros em novembro para os 267.083 milhões de euros, segundo os dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal. O endividamento público alivia assim durante um mês, após o recorde alcançado em outubro (268.140 milhões de euros).

Em outubro, a dívida pública tinha subido 1,1 mil milhões de euros para os 268,151 mil milhões de euros, superando o recorde anterior alcançado em agosto (267.114 milhões de euros). Apesar desta descida em novembro, a trajetória do stock do endividamento público é de subida desde que a crise pandémica instalou-se, afastando a perspetiva de descidas que a chegada dos excedentes orçamentais tinha dado.

Esta descida refletiu, em grande medida, amortizações de títulos de dívida, no valor de 1,2 mil milhões de euros“, explica o banco central na nota de informação estatística divulgada esta segunda-feira.

Dívida pública alivia de recorde em novembro

Fonte: Banco de Portugal. Em milhões de euros.

Os dados do banco central revelam ainda que os ativos em depósitos das administrações públicas baixaram dois mil milhões de euros para os 22,4 mil milhões de euros. Assim, a dívida pública líquida de depósitos aumentou 0,9 mil milhões de euros em relação ao mês anterior, totalizando 244,7 mil milhões de euros.

Em percentagem do PIB, a dívida pública atingiu os 130,8% no terceiro trimestre, subindo face aos 126% do PIB alcançados no segundo trimestre. Esta evolução é explicada pela subida do défice orçamental (4,9% do PIB até setembro), mas principalmente pela queda abrupta do PIB por causa da pandemia. A recuperação registada no terceiro trimestre amparou a subida, mas não a evitou.

A expectativa do Governo, de acordo com a proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021), é ter uma dívida pública de 134,8% do PIB em 2020, uma previsão mais otimista do que os 137,6% do PIB previstos pelo Conselho das Finanças Públicas ou os 137,2% do PIB previstos pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

(Notícia atualizada às 11h12 com mais informação e gráfico)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública desce mil milhões de euros em novembro e alivia de recorde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião