CNP Assurances investe 1,1 mil milhões na parceria com brasileira Caixa Seguridade

  • ECO Seguros
  • 5 Janeiro 2021

A conclusão do acordo supõe injeção de um equivalente a 1,1 mil milhões de euros , pela parte francesa, numa nova entidade que vai distribuir seguros vida e produtos de previdência no Brasil.

A CNP Assurances, líder francesa do ramo Vida, concluiu um novo acordo no Brasil, criando nova sociedade em conjunto com a Caixa Seguridade Participações (participada da estatal CEF – Caixa Económica Federal), para exploração conjunta, nos próximos 25 de anos, dos ramos de seguro “Vida, prestamista e produtos de previdência,” que serão distribuídos através da rede de balcões da CEF.

O contrato entre as partes concretiza e implementa a aliança – complementando o protocolo assinado em agosto de 2018 e acrescentado em setembro de 2019 – estendendo a parceria CNP Assurances – Caixa Seguridade até fevereiro de 2046.

Considerando que “todas as condições precedentes ao fechamento da operação foram cumpridas, incluindo as aprovações regulatórias necessárias e a constituição da nova holding de seguros (XS1) e da nova seguradora (XS2)”, a CNP subscreveu um aumento de capital na XS1 no valor total de 7 mil milhões de reais (cerca de 1,1 mil milhões de euros), “valor este que foi pago à CAIXA, em cumprimento do contrato de distribuição”, detalha a entidade brasileira em comunicado.

Na nova sociedade, a companhia francesa terá maioria em direitos de voto (51% vs 49%), enquanto a seguradora brasileira fica em posição de vantagem nos direitos económicos (60% vs 40%), cumprindo-se a estrutura e arquitetura divulgada anteriormente.

A Caixa Seguridade informou ainda que “a parceria com a CNP para o ramo de Consórcios” [fundos de poupança], conforme anunciado ao mercado em agosto de 2020, tem prazo alargado até 30 de março de 2021 para a respetiva conclusão. O protocolo relativo ao produto Consórcio prevê uma duração de 20 anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CNP Assurances investe 1,1 mil milhões na parceria com brasileira Caixa Seguridade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião