IEFP pede licenciatura a formadores de cabeleireiros, costureiros ou cozinheiros

  • ECO
  • 6 Janeiro 2021

IEFP lançou 394 vagas para admitir formadores, mas o concurso exige que os candidatos tenham uma licenciatura, pelo que a APF alerta que cabeleireiros, costureiros ou cozinheiros podem ficar de fora.

O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) lançou 394 vagas a termo resolutivo para admitir formadores ao abrigo do Programa de Regularização Extraordinária de Vínculos Precários da Administração Pública. Contudo, o concurso exige que os formadores tenham licenciatura, pelo que a Associação Portuguesa de Formadores (APF) alerta que este critério pode deixar muitos formadores de fora, nomeadamente os que dão cursos de estética, cabeleireiro, cozinheiro ou costureiro e que não têm esse nível de ensino superior, avança o Público (acesso pago).

Há vagas para as quais os formadores não podem concorrer porque não têm licenciatura que nunca foi um requisito para dar formação e não deveria ser um requisito do concurso”, aponta a presidente interina da associação, ao Público, exigindo a anulação desta exigência — que não pode ser substituída por formação ou cursos profissionais — nos procedimentos concursais que estão a decorrer desde 21 de dezembro.

As 394 vagas dividem-se pelas áreas de formação base (222) e de formação tecnológica (172), sendo que é nesta última que se coloca o problema exposto pela AFP, já que inclui formação na área de cuidados de beleza, floricultura, reparação de veículos, metalurgia, costura ou cozinha. Nesse sentido, a associação entregou uma carta à ministra do Trabalho a pedir uma audiência para debater esta questão.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

IEFP pede licenciatura a formadores de cabeleireiros, costureiros ou cozinheiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião