Portugueses são dos que mais saem para trabalhar noutro país da UE

  • Lusa
  • 8 Janeiro 2021

Portugal está entre os cinco países da UE de onde saíram mais trabalhadores para outro Estado-membro em 2019, a maioria altamente qualificados. Espanha, França e Alemanha entre os principais destinos.

Portugal foi um dos cinco países da União Europeia (UE) de onde saíram mais trabalhadores para outro Estado-membro em 2019, para outros como França e Alemanha, a maioria altamente qualificados, segundo um relatório da Comissão Europeia esta sexta-feira divulgado.

Em causa está o Relatório Anual da Mobilidade Laboral Intra-UE de 2020, publicado esta sexta-feira e com base nos mais recentes dados estatísticos disponíveis, que indica que “Roménia, Polónia, Itália, Portugal e Bulgária continuaram a ser os cinco principais países de origem” de trabalhadores em 2019.

Em concreto, estes cinco Estados-membros foram, nesse ano, “a origem de 58% das pessoas em mobilidade” laboral para outro país da UE.

Portugal é também mencionado no relatório como um dos principais países de origem de trabalhadores altamente qualificados, de áreas como negócios e administração, ciência e engenharia ou ensino.

“O grupo de trabalhadores altamente qualificados [em mobilidade laboral] em comparação com os altamente qualificados no país de origem é maior entre os romenos (22%), búlgaros (13%), portugueses (10%) e polacos (8%)”, precisa o documento.

No que toca aos principais países de destino dos portugueses em mobilidade laboral na UE, foram França, Alemanha e Espanha. Desta lista faz também parte o Reino Unido, que deixou a União Europeia no final de janeiro de 2020.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/emigrantes/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”33″ slug=”emigrantes” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/emigrantes/thumbnail?version=1592247425993&locale=pt-PT&publisher=eco.pt”]

Ao todo, em 2019, havia 17,9 milhões de cidadãos europeus em mobilidade laboral noutro país da UE, dos quais 13 milhões estavam em idade ativa (20-64 anos), de acordo com o relatório, que cita números do gabinete estatístico, o Eurostat.

Isto significa que a mobilidade laboral continuou a crescer em 2019, mas a um ritmo mais lento em comparação com os anos anteriores (compara com 17,6 milhões de 2018).

A Comissão Europeia observa que “as pessoas em idade ativa têm maior probabilidade de se deslocarem no início das suas carreiras”, sendo que “a probabilidade de se deslocarem diminui com a idade”.

“Com a população mais jovem a diminuir também nos países de origem, isto pode implicar uma diminuição dos fluxos de mobilidade”, adianta a instituição no relatório.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugueses são dos que mais saem para trabalhar noutro país da UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião