Carta de condução “na hora” poderá arrancar ainda este ano

  • Lusa
  • 11 Janeiro 2021

Este é um serviço destinado principalmente a profissionais e a quem tenha perdido a carta de condução, dando assim a possibilidade de se obter o documento no próprio dia.

O Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) poderá ainda este ano começar a fazer cartas de condução “na hora”, um serviço virado principalmente para profissionais e para quem tenha perdido aquele documento.

Falando à margem da apresentação do novo modelo de carta de condução na Imprensa Nacional Casa da Moeda, o presidente do IMT, Eduardo Feio, afirmou que há condições para que o projeto, incluído no programa Simplex da administração pública, comece ainda este ano.

“A pessoa vai ao balcão do IMT e assim como o passaporte, que hoje podemos obter no mesmo dia, podemos passar a ter uma carta ‘na hora’ que será essencialmente para profissionais ou para quem tenha perdido a sua carta, de forma a que consiga ter naquele dia a emissão” de um novo documento, afirmou, acrescentando que o serviço só existirá em alguns pontos do país, sem especificar quais.

A Imprensa Nacional Casa da Moeda começou esta segunda-feira a fabricar cartas de condução com um novo modelo, grafismo e um código informático que a torna digital, sem ser preciso andar na carteira para a fiscalização pelas autoridades.

Na apresentação do documento, o secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, afirmou que o novo documento, que inclui impressão holográfica e um código de barras bidimensional QR, “dá maiores garantias de segurança, contribuindo para o combate à fraude”.

Esse código, legível pelas câmaras dos telemóveis, permitirá digitalizar o documento e tê-lo disponível sem o cartão propriamente dito.

O presidente do conselho de administração da INCM, Gonçalo Caseiro, disse à Lusa que o cartão inclui vários mecanismos de segurança mas nem todos podem ser tornados públicos, porque “o segredo ainda é a alma do negócio”.

Um dos que é possível revelar e que está bem à vista no novo modelo de carta de condução é a impressão holográfica no canto inferior direito: “consoante o ângulo em que se olha para carta, ora se vê a fotografia [do titular] ou o número da carta, e este é um dos elementos de segurança que torna praticamente impossível” uma reprodução que pareça, à vista desarmada, uma carta normal.

As cartas de condução, que existem em Portugal desde 1910, são fabricadas há 60 anos na Imprensa Nacional Casa da Moeda, uma empresa de capital público.

Eduardo Feio referiu que, desde 2017, 400 mil cartas foram emitidas ‘online’, mais de 200 mil das quais no ano passado, através do ‘site’ do INCM, que passa a informação à Casa da Moeda, conseguindo-se prazos de entrega entre 15 e 30 dias, referiu.

Todos os anos são emitidas entre 800 mil e 900 mil cartas de condução, cerca de 100 mil das quais novos títulos, com o resto a serem renovações.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Carta de condução “na hora” poderá arrancar ainda este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião