BRANDS' PESSOAS O futuro do trabalho está a bater à porta. Vai abri-la?

  • PESSOAS + EY
  • 11 Janeiro 2021

Joana Gonçalves Rebelo, Manager EY, e Miguel Vieira da Silva, Consultant EY, ambos de People Advisory Services, explicam os benefícios da automação nos Recursos Humanos para empresas e colaboradores.

A automação já era um tema emergente, mas foi em 2020 que ganhou destaque, com a pandemia a acelerar esta tendência global: 84% das empresas a investir na digitalização e 50% na automação de processos. Mais ainda: atualmente um terço das horas de trabalho são realizadas por máquinas ou robôs mas estima-se que em 2025 ascenda a metade (Fonte: World Economic Forum).

Quando falamos de automação, referimo-nos a trabalho que passa a ser executado por máquinas ou robôs quer em equipamentos físicos quer virtuais, passíveis de serem utilizados a partir de qualquer computador. Assim sendo, é uma solução muito flexível e aplicável praticamente a qualquer área de trabalho.

Os robôs conseguem simular a execução humana de processos repetitivos, que obedecem a regras lógicas específicas. Desta forma, existem processos com maior potencial de automação do que outros; bem como processos que não são passíveis de automatizar devido à sua complexidade, rara ocorrência ou exigência de competências humanas.

"Esta solução [automação] dá resposta a um grande desafio dos RH: libertar tempo. Mais tempo para pensar e definir a estratégia. Mais tempo para estar no terreno, ao lado do negócio. Mais tempo para ouvir os colaboradores e apoiar a liderança na tomada de decisões. Mais tempo para os RH se tornarem num verdadeiro parceiro estratégico do negócio.”

O potencial de automação nos Recursos Humanos (RH) é vasto, dado que as tarefas administrativas ocupam largamente o esforço e tempo das equipas, nem sempre sobrando tempo para a estratégia, e o trabalho acaba por ser organizado de forma reativa. São nos pontos abaixo que as organizações podem colher mais benefícios com a automação:

  • Mais tempo. Alocando tarefas ao robô, este tempo é devolvido às equipas de Recursos Humanos, que podem utilizar o seu tempo em tarefas estratégicas e que requerem o toque humano;
  • Menos erros. O robô pode repetir a mesma tarefa mil vezes, irá sempre executar a última com o mesmo rigor com que executou a primeira. Poupa tempo na identificação e correção de erros;
  • Maior rapidez. O robô analisa um grande volume de dados em frações de segundo e executa tarefas do dia-a-dia em menos tempo;
  • Maior capacidade. O robô trabalha 24 horas por dia, todos os dias do ano, aumentando de forma significativa a capacidade de resposta dos RH;
  • Menos custos. Com maior rapidez e capacidade, uma tarefa executada pelo robô tem menos custos associados. Aliás o retorno do investimento feito no robô é tido em aproximadamente 6 meses;
  • Cliente mais satisfeito. O cliente interno recebe uma resposta à sua solicitação com maior rapidez e menor margem de erro.

Desta forma, e considerando que muitos dos processos de RH têm uma forte componente administrativa e repetitiva (ex. onboarding, payroll, tratamento de informação), os robôs são uma solução muito adequada para libertar os profissionais de RH destas tarefas, ganhando tempo para a realização de outras, onde o toque humano é indispensável. E conseguindo assim proporcionar ganhos, não só para as empresas, mas também para os colaboradores:

  • Realização profissional. O trabalho monótono fica alocado aos robôs, permitindo que as pessoas se dediquem a tarefas mais desafiantes, onde têm espaço para aportar mais valor, assim como valorizar-se profissionalmente;
  • Engagement. Com tarefas mais desafiantes, observamos o desenvolvimento de um maior sentido de propósito nas pessoas, assim como um maior sentimento de pertença e de compromisso, o que leva as pessoas a “vestirem a camisola” e a tornarem-se autênticos embaixadores da organização;
  • Satisfação. As horas a atualizar as dezenas de bases de dados em Excel e as noitadas a validar dados de presenças e ausências para o payroll passam a ser exceção. Mais equilíbrio, saúde e bem-estar, que contribui para uma melhor employee experience, deixando os colaboradores mais satisfeitos e potenciando a retenção de talento.

Esta solução dá resposta a um grande desafio dos RH: libertar tempo. Mais tempo para pensar e definir a estratégia. Mais tempo para estar no terreno, ao lado do negócio. Mais tempo para ouvir os colaboradores e apoiar a liderança na tomada de decisões. Mais tempo para os RH se tornarem num verdadeiro parceiro estratégico do negócio.

O futuro do trabalho está a bater à porta. Vai abri-la?

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O futuro do trabalho está a bater à porta. Vai abri-la?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião