BRANDS' CAPITAL VERDE Hidrogénio verde é a solução para levar a descarbonização a todos os setores

  • Capital Verde + APREN
  • 13 Janeiro 2021

Até 2030, o preço do hidrogénio verde cairá brutalmente, ajudando a tornar este gás renovável mais competitivo no mercado a médio prazo, como explica Pedro Amaral Jorge, CEO da APREN.

Por força das alterações climáticas, cada vez mais presentes no dia-a-dia de todos nós, a União Europeia decidiu reduzir, até 2030, pelo menos 55% das emissões de CO2, face a 1990. O grande objetivo é a atingir a neutralidade carbónica no ano de 2050.

O caminho para alcançar este objetivo, na maior parte dos setores da economia, é assegurado por via da eletrificação com base em energias renováveis. E no caso dos setores em que eletrificar não é técnica, económica ou ambientalmente viável? Nesses casos, a solução mais eficaz em termos de custo e impacte é a eletrificação indireta através da utilização do hidrogénio verde (que recorre à eletrólise da água com corrente elétrica obtida a partir de eletricidade renovável).

Quem também defende esta ideia é António Bento, professor catedrático de políticas públicas na University of Southern California. O economista, que participou no webinar sobre a Estratégia Nacional para o Hidrogénio organizado recentemente pela Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN) e pela Associação Portuguesa de Promoção do Hidrogénio (AP2H2), estudou o tema e concluiu que o hidrogénio vai tornar-se competitivo no mercado a médio prazo.

"Para atingir o objetivo definido pela União Europeia teremos de reduzir substancialmente as emissões do lado da eletricidade, dos transportes e indústria, desde a cimenteira, à cerâmica passando pela indústria do vidro, o que não será possível sem o hidrogénio.”

Este cenário irá verificar-se, não só por via da evolução tecnológica, mas também pelo aumento do preço da taxa de carbono que tornará mais caro quer o gás natural, quer o hidrogénio obtido a partir do mesmo (hidrogénio cinzento) face ao hidrogénio verde. É verdade que, face à forma como hoje são contabilizados os custos de produção e a falta de economias de escala dos eletrolisadores, o hidrogénio verde não é economicamente competitivo face ao hidrogénio cinzento (utiliza um processo denominado de “conversão de vapor-gás natural”, que usa gás natural como matéria prima) ou hidrogénio azul (é produzido através do mesmo processo que o hidrogénio cinzento, mas usa técnicas de captura e armazenamento de carbono para reduzir as emissões).

Pedro Amaral Jorge, CEO da APREN – Associação Portuguesa de Energias RenováveisD.R.

No entanto, entre 2020 e 2030, segundo os cálculos do economista, o preço do hidrogénio verde cairá brutalmente, enquanto subirá muito rapidamente o preço do carbono, devendo este último atingir cerca de 80 a 100 euros por tonelada. Mesmo o cenário mais pessimista aponta para que, em 2030, o hidrogénio verde seja já vantajoso, também em termos económicos, face ao cinzento.

"É preciso apostar já no hidrogénio verde dando espaço aos setores para que se ajustem. A inovação tecnológica, as economias de escala e a taxa de carbono farão o resto, viabilizando o hidrogénio verde.”

Para atingir o objetivo definido pela União Europeia teremos de reduzir substancialmente as emissões do lado da eletricidade, dos transportes e indústria, desde a cimenteira, à cerâmica passando pela indústria do vidro, o que não será possível sem o hidrogénio.

O professor António Bento defende, com propriedade, que é preciso apostar já no hidrogénio verde dando espaço aos setores para que se ajustem. A inovação tecnológica, as economias de escala e a taxa de carbono farão o resto, viabilizando o hidrogénio verde.

Fundamental para o sucesso da estratégia é que a procura por parte dos setores a descarbonizar seja estimulada, atingindo-se o grande objetivo de redução de emissões.

Esta é também uma oportunidade para que a indústria portuguesa inove, como já está a fazer, por exemplo, a Caetano Bus, que anunciou recentemente a venda do primeiro autocarro movido a Hidrogénio Verde para o projeto eFarm, um dos maiores projetos de mobilidade a hidrogénio verde na Alemanha

A aposta no hidrogénio verde pode ser uma contribuição para alavancar a indústria nacional enquanto se reforça a aposta nas energias renováveis cumprindo-se o desígnio da descarbonização.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hidrogénio verde é a solução para levar a descarbonização a todos os setores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião