Têxtil Polopiqué fixa salário mínimo em 700 euros

  • ECO
  • 14 Janeiro 2021

A retribuição mínima garantida é de 665 euros, mas o grupo têxtil Polopiqué fixou para o ano de 2021 um salário mínimo de 700 euros, o que abrange cerca de 550 trabalhadores.

O grupo têxtil Polopiqué fixou um salário mínimo de 700 euros para 2021, acima dos 665 euros de salário mínimo nacional decidido pelo Governo. A decisão da administração liderada por Luís Guimarães abrange cerca de 550 trabalhadores das várias empresas e é particularmente relevante num contexto de crise e de um novo confinamento geral do país que começa já neste dia 15 de janeiro.

Empresa líder na indústria têxtil de vestuário, com uma faturação em torno dos 110 milhões de euros, o grupo Polopiqué nasceu em 1996 e domina todas as fases do processo produtivo têxtil, desde a fiação, passando pela tecelagem e ultimação, até à confeção e comercialização de produtos finais de segmento de alta qualidade. Luís Guimarães definiu desde o início a política social como uma das prioridades.

Em março do ano passado, aquando do primeiro confinamento geral, com a produção quase parada sem encomendas ou com encomendas suspensas, a Polopiqué decidiu entregar um cabaz de bens alimentares a todos os trabalhadores (cerca de mil) diretamente em casa, para evitar a necessidade de deslocação a supermercados e hipermercados quando ainda não havia informação sobre as fontes de contágio de Covid-19.

Além do salário mínimo de 700 euros para todos os trabalhadores e do seguro de saúde e de vida para os trabalhadores, cônjuges e dependentes, além de uma cantina que tem almoços a um valor simbólico de 1€, a Polopiqué também avalia anualmente a distribuição de uma percentagem de lucros registados.

As contas de 2020 não estão fechadas, mas a Polopiqué quer crescer em 2021, e espera que o novo confinamento não tenha as mesmas consequências registadas no ano passado, particularmente a suspensão de encomendas. E garante que vai continuar a investir.

Em 2017, o grupo Polopiqué concluiu um investimento numa nova fiação de raiz, vocacionada essencialmente para a produção de fios finos, mesclas e fios de cor, permitindo o aumento da produção mensal para 360 toneladas. No total, o investimento da Polopiqué na fiação ascende já a 30 milhões de euros, valor que integra a aquisição, em 2010, e a posterior renovação da Fiateviz e a criação desta nova unidade.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Têxtil Polopiqué fixa salário mínimo em 700 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião