Stilwell acumula funções de CEO da EDP e EDP Renováveis. Rui Teixeira é CFO

O novo conselho de administração irá dividir-se por áreas, em vez de empresas. Com o papel das renováveis no grupo, "é natural" assumir a lideranças de ambas as empresas, justifica Stilwell.

Miguel Stilwell d’Andrade vai ser não só CEO da EDP como também da EDP Renováveis, numa reorganização da liderança do grupo. O novo conselho de administração irá dividir-se por áreas, em vez de empresas. O CFO das duas empresas será Rui Teixeira.

“O novo conselho de administração vai ter cinco membros [contra nove da anterior administração liderada por António Mexia]. É uma equipa mais pequena, ágil, focada em dar resposta aos desafios de um mercado em evolução“, começou por explicar Stilwell, na conferência de imprensa que se seguiu à assembleia geral de acionistas. “É uma equipa de continuidade escolhida pelo mérito”.

Na assembleia geral estiveram representados 73,9% dos acionistas, sendo que quase todos aprovaram a eleição dos membros do Conselho de Administração Executivo para o mandato relativo ao triénio 2021-2023. Além do presidente Stilwell, este é integrado ainda pelos administradores Rui Teixeira, Miguel Setas e Vera Pinto Pereira e Ana Paula Marques (esta última vinda da operadora Nos).

A proposta que foi apresentada hoje [terça-feira] foi aprovada por 99,98%, o que demonstra a confiança para este novo mandato. Queria agradecer por isso aos acionistas“, sublinhou Stilwell, que chega a CEO efetivo sete meses depois de ter assumido funções de forma interina, após Mexia ter sido afastado judicialmente.

Stilwell quer ter mão nas renováveis, mas não tirá-las de bolsa

Não só há mudanças no número de administradores como também na organização da liderança do grupo. “Face ao papel que as renováveis têm tido dentro do grupo — representa 75% do investimento –, é natural que o CEO do grupo passe a ser também CEO das renováveis, por isso irei assumir essas funções”, explicou, adiantando que também o CFO será o mesmo para as duas companhias: Rui Teixeira.

Stilwell justificou assim a razão para ficar com o controlo da gestão das duas empresas, numa altura em que os ativos renováveis são a grande aposta do grupo e que a subsidiária EDP Renováveis se tornou a cotada com mais peso da bolsa de Lisboa. Apesar disso, o CEO rejeita a possibilidade de uma fusão financeira que retirar a eólica da bolsa.

Ter a empresa cotada é positivo, dá uma maior transparência aos investidores, é uma coisa positiva para a EDP. Neste momento, não está nos planos tirar a EDP Renováveis de bolsa“, garantiu, recordando que em 2017 a EDP lançou uma oferta pública de aquisição à EDP Renováveis, mas conseguiu apenas comprar 5% do capital, para os atuais 82,5%.

Nas restantes áreas, Miguel Setas sobe a presidente do Conselho de Administração do Brasil e assume a coordenação global das redes de distribuição do grupo, enquanto João Marques da Cruz assume as antigas funções de Setas como presidente executivo da EDP Brasil. Vera Pinto Pereira ficará com o pelouro da comercialização, atividades sociais e culturais e Ana Paula Marques com a geração convencional e inovação do grupo.

(Notícia atualizada às 18h15)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Stilwell acumula funções de CEO da EDP e EDP Renováveis. Rui Teixeira é CFO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião