Bruxelas considera inaceitável atraso de vacina da AstraZeneca e admite ações

  • Lusa
  • 25 Janeiro 2021

“A UE financiou antecipadamente o desenvolvimento da vacina e a sua produção e quer ver o seu retorno”, disse a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides.

A Comissão Europeia considerou, esta segunda-feira, “inaceitável” o anúncio da farmacêutica AstraZeneca de que facultará menos doses da vacina Covid-19 à União Europeia (UE) do que acordado, e admite avançar com “qualquer ação necessária” para exigir o cumprimento do contrato.

“Na passada sexta-feira, a AstraZeneca anunciou surpreendentemente à Comissão e aos Estados-membros da UE que pretende entregar doses consideravelmente menores, nas próximas semanas, do que acordado e anunciado. Este novo planeamento não é aceitável para a UE”, disse esta segunda-feira a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides.

Numa curta declaração à imprensa após uma reunião por videoconferência entre o executivo comunitário, a farmacêutica e representantes dos 27 Estados-membros da UE, a responsável notou que ainda persistem “questões e importantes e sérias”.

A UE financiou antecipadamente o desenvolvimento da vacina e a sua produção e quer ver o seu retorno” e, além disso, “a UE quer saber exatamente quantas doses foram produzidas até agora e onde”, além que questionar “para onde serão destinadas”, elencou Stella Kyriakides, notando ainda não ter tido “respostas satisfatórias”.

Anunciando uma nova reunião à distância para esta noite, a comissária europeia vincou que “a UE quer que as doses já encomendadas e já pagas sejam distribuídas o mais rapidamente possível e que o contrato seja respeitado na totalidade”.

E ameaçou: “A UE vai adotar qualquer ação necessária para proteger os seus cidadãos e os seus direitos”.

Da reunião de esta segunda-feira resultou também a criação de um mecanismo para garantir a transparência nas exportações das vacinas adquiridas por Bruxelas, que já são oito, e para as quais o executivo comunitário já disponibilizou 2,7 mil milhões de euros.

“Queremos clareza nas operações e total transparência no que toca às exportações”, exigiu Stella Kyriakides, adiantando que, “no futuro, todas as empresas a produzir vacinas contra a covid-19 para a UE terão de notificar previamente sempre que quiserem exportar vacinas para países terceiros, excetuando-se as questões humanitárias”.

Na sexta-feira, um porta-voz da AstraZeneca avisou que as entregas da vacina AstraZeneca/Oxford na Europa, sob reserva da sua aprovação, iriam ser inferiores ao previsto, devido a problemas na capacidade de produção.

O processo de vacinação na Europa está, contudo, a ser marcado por várias críticas relacionadas com a produção insuficiente para todos os países, o que já levou a atrasos na distribuição.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bruxelas considera inaceitável atraso de vacina da AstraZeneca e admite ações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião