Nhood entra em Portugal e prevê gerir 500 milhões de euros em cinco anos

  • Lusa
  • 26 Janeiro 2021

Empresa de soluções imobiliárias vai criar mais de 3.000 postos de trabalho. A empresa já identificou oportunidades em cerca de 15 localizações, de Norte a Sul do país.

A Nhood, empresa de soluções imobiliárias, entrou em Portugal e prevê gerir, em cinco anos, 500 milhões de euros, através do seu portfólio de clientes, com três mil postos de trabalho associados.

“O plano de investimentos que a Nhood prevê gerir, em nome do seu portfólio de clientes, para os próximos cinco anos em Portugal é de cerca de 500 milhões de euros, com a criação de mais de 3.000 postos de trabalho associados”, indicou, em comunicado, a empresa.

Por outro lado, a empresa já identificou oportunidades em mais de 15 localizações, de Norte a Sul, e tem a ambição de assegurar que todos os seus projetos usem energias renováveis.

“Vamos comercializar, gerir, desenvolver e dinamizar espaços imobiliários de uso misto para diferentes proprietários, acelerando a transformação destes ativos à luz da criação de um triplo impacto positivo: para o planeta, pessoas e proveitos”, afirmou, em comunicado, a presidente executiva da Nhood Portugal, Séverine Boutel Bodard.

Boutel Bodard referiu ainda que, em Portugal, o objetivo passa também por “trabalhar fortemente no conceito da cidade dos 15 minutos, com espaços diversificados que permitam às pessoas beneficiar da proximidade a tudo o que necessitam”.

A nível global, a empresa tem um potencial de desenvolvimento estimado em mais de quatro milhões de metros quadrados, sendo cerca de um terço em projetos de habitação.

Esta empresa de soluções imobiliárias para ativos de usos mistos, recentemente criada a nível global, insere-se no ecossistema da Associação Familiar Muliez (AFM).

A Nhood tem como propósito a criação e a transformação de espaços “que geram comunidades ativas e cidades sustentáveis”, focando-se em projetos que cruzam “diferentes facetas da vida diária”, nomeadamente, casa, trabalho, lazer, educação e comércio.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Nhood entra em Portugal e prevê gerir 500 milhões de euros em cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião