Hungria aprova a vacina chinesa da Sinopharm

  • Lusa
  • 29 Janeiro 2021

Viktor Orban mantém o "braço de ferro" com a União Europeia e diz, nesta matéria das vacinas, defende "uma diplomacia pragmática".

A Hungria tornou-se o primeiro país da União Europeia a aprovar a vacina do laboratório chinês Sinopharm, na qual o primeiro-ministro Viktor Orban deposita “grande confiança”.

Na semana passada, Budapeste deu luz verde ao composto contra o Covid-19 Sputnik-V, desenvolvido na Rússia, tendo adquirido dois milhões de doses, enquanto criticava a “lentidão” de Bruxelas na questão das vacinas.

“O Instituto Nacional de Farmácia (OGYEI, na sigla em húngaro) deu autorização”, anunciou a diretora geral da Saúde da Hungria, Cecilia Muller, em conferência de imprensa, em Budapeste.

Antes, o primeiro-ministro, Viktor Orban afirmou que o contrato está a ultimar-se, demonstrando preferência pessoal em relação à vacina fabricada na República Popular da China.

“Vou esperar pela minha vez e quando chegar a altura vou escolher a vacina chinesa”, disse Orban no programa de rádio semanal que mantém na rádio pública.

“Os chineses têm uma prolongada experiência com este vírus, e são, provavelmente, os que têm mais informação“, acrescentou, sublinhando que a Sérvia também adotou o composto da República Popular da China.

Budapeste espera “assinar um contrato” esta sexta-feira ou no sábado, com o Grupo Farmacêutico Nacional Chinês (Sinopharm) disse ainda o primeiro-ministro.

Anteriormente, Gergely Gulyas, chefe de gabinete de Orban, já tinha anunciado o pedido de 500 mil doses da vacina produzida na República Popular da China.

Desta forma, o Governo da Hungria demarca-se da União Europeia e da Agência Europeia do Medicamento.

Viktor Orban mantém o “braço de ferro” com a União Europeia e, nesta matéria, defende “uma diplomacia pragmática” que aproxima Budapeste de Moscovo e Pequim, frisando “o direito de se abastecer onde quiser”.

“Nós vamos receber as vacinas dos russos, chineses, norte-americanos e vamos falar com os israelitas (…) enquanto vemos que Bruxelas tenta gerir a situação”, disse o primeiro-ministro húngaro.

Para acelerar o processo, o governo de Budapeste está a preparar um decreto que vai permitir homologar todas as vacinas que já recebeu e que são destinadas a um milhão de pessoas.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.191.865 mortos resultantes de mais de 101 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 11.608 pessoas dos 685.383 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Hungria aprova a vacina chinesa da Sinopharm

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião