Catarina Martins defende nacionalização da Groundforce para proteger emprego

  • Lusa
  • 9 Março 2021

A líder do Bloco de Esquerda referiu, em declarações aos jornalistas, que a Groundforce é “lucrativa e só no período da pandemia é que teve problemas de resultados operacionais”.

A coordenadora do BE defendeu esta terça-feira que, sem prejuízo de apurar as responsabilidades do acionista privado, a solução para Groundforce deve passar pela nacionalização com o objetivo de manter esta capacidade em Portugal e proteger os postos de trabalho.

Catarina Martins esteve esta tarde reunida com formadores do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), tendo no final sido questionada pelos jornalistas sobre o impasse na Groundforce.

“Sem prejuízo de assacar as responsabilidades próprias do acionista privado, a Groundforce deve ser nacionalizada para se manter a capacidade em Portugal e para se proteger o emprego”, respondeu.

A líder bloquista lembrou que, ao contrário do que acontece com empresas do setor da aviação, a Groundforce é “lucrativa e só no período da pandemia é que teve problemas de resultados operacionais”.

“Portanto não há aqui uma empresa com problemas, não há uma empresa com prejuízos que venham de anos, há uma empresa que tem todas as condições para trabalhar, para dar lucro, para manter o emprego que tem. Só precisa de ajuda para passar um período de confinamento”, apontou.

Na perspetiva da coordenadora do BE, seria uma “absoluta irresponsabilidade” que, pela “incapacidade de ultrapassar este período”, se perdesse o emprego, a capacidade, a especialização dos trabalhadores e a importância desta empresa num setor estratégico em Portugal.

“É preciso manter a empresa e eu julgo que o caminho da nacionalização acaba por ser aquele que vai ganhando força, como digo, sem prejuízo de se assacarem as devidas responsabilidades ao acionista privado”, reiterou.

Esta terça-feira, em comunicado, a Comissão de Trabalhadores (CT) da Groundforce considerou que precisamente a nacionalização é a única hipótese de segurar a empresa e salvaguardar os postos de trabalho, tendo marcado uma nova manifestação para quarta-feira, em frente à residência oficial do primeiro-ministro.

Na reunião de segunda-feira, Pedro Nuno Santos informou a CT e os sindicatos que representam os trabalhadores da Groundforce de que as ações da Pasogal, que detém 50,1% da empresa, já estão penhoradas, não podendo ser dadas como garantia para receber um adiantamento da TAP de cerca de dois milhões de euros, para pagar os salários aos 2.400 trabalhadores, que já não receberam os ordenados de fevereiro.

Esta informação foi dada por Alfredo Casimiro, dono da Pasogal, ao fim de vários dias de negociações com o Ministério das Infraestruturas, em que concordou ceder as ações como garantia para viabilizar a empresa.

Os órgãos representativos dos trabalhadores ficaram também a saber na reunião que o Governo “não descarta medidas para salvar a continuidade da empresa, mas também não descarta a insolvência” e que, sem a garantia da entrega das ações, não poderá haver injeção de capital.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins defende nacionalização da Groundforce para proteger emprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião