EDP continua a perder clientes no mercado liberalizado de eletricidade, mas ainda tem 75% do total

No início deste ano, a EDP apresentava uma quota de mercado de 75,5%, o que equivale a uma carteira de clientes de certa de quatro milhões de consumidores. 

De acordo com o Boletim do Mercado Liberalizado de Eletricidade, divulgado pela ERSE – Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, referente a janeiro de 2021, a EDP Comercial foi o comercializador de energia a operar no mercado livre que perdeu mais quota de clientes (-2,7 pontos percentuais) por comparação com o mesmo mês de 2020.

No entanto, no início deste ano a EDP mantinha ainda uma quota de mercado global de 75,5% dos 5,3 milhões de clientes que já mudaram para o mercado liberalizado, o que equivale a uma carteira de clientes de certa de quatro milhões de consumidores.

E se de um ano para o outro a EDP viu cair a sua quota, o contrário aconteceu com a Endesa, que viu subir o número de clientes de 6,6% em janeiro de 2020 para 7,7% em janeiro de 2021, e também com a Goldenergy — que saltou de 1,9% de quota para 2,8%. Já a Galp caiu ligeiramente de 5,2% para 5,1% e a Iberdrola de 6,2% para 6,1%.

De acordo com os dados do regulador, no primeiro mês de 2021, foi a Endesa a empresa que realizou uma maior captação de clientes, tendo ganho cerca de 47% do número de clientes que mudou de comercializador. A Goldenergy e a Galp conseguiram um ganho líquido de cerca de 20% e 15% desses clientes, respetivamente. Destaque ainda para a Meo Energia, com a maior percentagem de captação de clientes face à sua carteira atual.

Em janeiro, e para o conjunto do mercado, 1,5% do número total de clientes trocou de fornecedor, o que representou que cerca de 7% do consumo tenha igualmente passado a ser assegurado por um comercializador diferente. O segmento dos clientes industriais é o mais ativo em intensidade de mudança de comercializador.

No início do ano o mercado liberalizado registava cerca 5,3 milhões de clientes, o que representa um crescimento de 1,7% em número de clientes relativamente a janeiro de 2020. Por seu lado, o mercado regulado registava em janeiro apenas cerca 959 mil clientes, o que representa uma quebra de 0,7% em número de clientes.

Endesa recupera no número de clientes e no consumo

No que diz respeito ao consumo mensal global de eletricidade, em janeiro totalizou 4.960 GWh, cerca de 6,2% acima do mês de dezembro, mas 0,9% baixo do mês homólogo (janeiro de 2020). Para o total do mercado liberalizado a ERSE estima um consumo em base anual de 41.970 GWh, o que se traduz numa quebra de 3,4% no consumo

No mercado regulado, o consumo estimado em base anual é de de 2.292 GWh, representando um crescimento de 2,0% em consumo, relativamente a dezembro de 2020.

Apesar da perda em número de clientes, a EDP ganhou ligeiramente em quota de consumo (0,1 pontos percentuais), enquanto a Endesa foi a que ganhou mais quota quer em número de clientes (1 ponto percentual) quer em consumo (0,9 pontos percentuais), refere o boletim da ERSE.

Em termos de consumo, escreve a ERSE, foi também a Endesa o comercializador que mais quota conquistou no mês de janeiro (cerca de 45%). A EDP aparece de seguida com 33% de ganho de consumo este mês e a Galp com um ganho de cerca de 16% do total de consumo que transitou de comercializador neste mês.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

EDP continua a perder clientes no mercado liberalizado de eletricidade, mas ainda tem 75% do total

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião