Após “sustos” da pandemia, fabricantes de vestuário exigem melhores condições contratuais

  • ECO
  • 1 Abril 2021

De acordo com a Reuters, esta decisão foi tomada depois dos fornecedores terem sofrido cancelamentos generalizados e atrasos nos pagamentos no início da pandemia.

Os fabricantes de vestuário de nove países da Ásia, Médio Oriente e Norte de África uniram-se para exigir melhores condições contratuais aos retalhistas. A notícia é avançada pela Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês), referindo que esta decisão foi tomada depois dos fornecedores terem sofrido cancelamentos generalizados e atrasos nos pagamentos no início da pandemia.

Assim, 13 associações representantes de fornecedores de vestuário na China, Bangladesh, Mianmar, Camboja, Vietname, Paquistão, Turquia, Marrocos e Indonésia delinearam um documento que elenca prazos mínimos com vista a serem apresentados aos seus clientes. Nomeadamente, um prazo máximo de pagamento de 90 dias e o fim dos descontos após a realização das encomendas.

O projeto de documento que engloba estas reivindicações deverá ser finalizado e publicado no final de abril. De acordo com um comunicado de apresentação da iniciativa, o objetivo é fomentar práticas de compra que “não ultrapassem a fronteira do abuso do poder de compra em detrimento óbvio e evitável do fabricante”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Após “sustos” da pandemia, fabricantes de vestuário exigem melhores condições contratuais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião