Wall Street em alta com dados animadores do emprego e retalho

Os mercados norte-americanos festejaram os bons resultados do retalho e a evolução positiva do desemprego, na sessão desta quinta-feira. Dados do setor financeiro também deram alento.

Os mercados norte-americanos terminaram a penúltima sessão da semana acima da linha de água, com o S&P e o Dow Jones em máximos históricos. A animar Wall Street esteve a evolução do desemprego — o número de inscrições atingiu o nível mais baixo desde o início da atual crise –, a forte recuperação das vendas a retalho — fruto dos estímulos adicionais concedidos pelo Governo norte-americano — e o recuo das taxas de juro das obrigações do Tesouro dos Estados Unidos.

O índice de referência nos mercados norte-americanos, o S&P 500, terminou a sessão a valorizar 1,06% para 4.168,35 pontos. Também no verde, o industrial Dow Jones somou 0,85% para 34.019,09 pontos e o tecnológico Nasdaq avançou 1,27% para 14.034,18 pontos.

Depois das perdas de quarta-feira, as cotadas tecnológicas destacaram-se, esta quinta-feira. Os títulos da Apple subiram 1,87% para 134,50 dólares, os da Microsoft somaram 1,53% para 259,50 dólares e os do Facebook valorizaram 1,65% para 307,82 dólares.

A explicar este bom desempenho das tecnológicas (e dos mercados, no geral) esteve as garantias deixadas pela Reserva Federal norte-americana de que irá manter a política monetária favorável, apesar do agravamento da inflação — que até chegou a pressionar Wall Street, no início da semana. Por outro lado, esta quinta-feira, as taxas de juro das obrigações do Tesouro dos EUA a 10 anos dez caíram abaixo da fasquia dos 1,6%, pela primeira vez desde 25 de março, o que trouxe também algum alívio aos mercados.

Outros fatores que contribuíram para o sentimento de alento em Wall Street foram os dados das vendas a retalho, que, no mês de março, registaram uma forte recuperação, depois do Governo dos Estado Unidos ter distribuído mais estímulos extraordinários pelos cidadãos. Além disso, a evolução do desemprego trouxe otimismo aos investidores, tendo as inscrições atingido, na última semana, segundo se soube esta tarde, os níveis mais baixos desde o início da crise pandémica.

É o melhor dos dois mundos, uma vez que temos os juros a recuar e bons dados económicos. É exatamente isso que quereríamos ver”, sublinha Tim Murray, estrategista da T. Rowe Price Associates, citado pela Reuters.

Esta quinta-feira foi dia também do Bank of America, do Citigroup e do BlackRock apresentarem os seus resultados trimestrais, que foram animadores, dando otimismo quanto à recuperação da economia. Os títulos do BlackRock valorizaram, assim, 2,09% para 817,84 dólares. Por outro lado, as ações do Bank of America caíram 2,86% para 38,74 dólares. No vermelho, também ficaram os títulos do Citigroup, recuando 0,51% para 72,54 dólares.

À Reuters, o analista Randy Frederick, da Charles Schawb, explica que as expectativas para os resultados trimestrais eram melhores do que é tradicional. Logo, o que daria ânimo agora aos mercados seriam números muito melhores do que os projetados. Apesar das quebras referidas, o analista defende que o setor, no todo, “está bem”.

Nas criptomoedas, os títulos da Coinbase Global Inc caíram 0,5%, no dia seguinte à estreia desta empresa no Nasdaq.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Wall Street em alta com dados animadores do emprego e retalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião