Allianz lucra 3,3 mil milhões até março, quer atingir 12 mil milhões no final do ano

  • ECO Seguros
  • 12 Maio 2021

Resultado operacional e menores imparidades impulsionaram o lucro líquido para uma subida superior a 80%. A subsidiária AGCS lucrou 81 milhões, invertendo 141 milhões de prejuízo um ano antes.

O grupo Allianz registou “excelente início de ano”, assinalando “forte desempenho em todos os segmentos de negócio,” com significativa recuperação de rentabilidade no negócio não Vida, mas também em Vida e Saúde, divulgou o grupo líder na indústria seguradora da Europa.

Nos primeiros três meses de 2021, continuando a gerir “com sucesso o impacto” da crise gerada pela pandemia, a Allianz SE sofreu quebra homóloga de 2,6% na receita, consolidando 41,4 mil milhões de euros e recuo de 0,4% em termos orgânicos. No entanto, o resultado operacional cresceu 44,8% no 1ºT, face a igual trimestre de 2020, para 3,3 mil milhões de euros, beneficiando da contribuição “de todos segmentos de negócio”, afirma a companhia em comunicado.

Beneficiando do resultado operacional e de menores imparidades, o lucro líquido atribuível aos acionistas da sociedade matriz totalizou 2,6 mil milhões de euros, apontando crescimento de 83%, com o rácio de solvência a situar-se nos 210% (207% no final de dezembro passado), reportou a seguradora reafirmando 12 mil milhões (+/- 1 000 milhões de euros) como meta de lucro operacional no final de exercício em curso.

No segmento não Vida (Property-Casualty), o lucro operacional cresceu apoiado num resultado de subscrição mais elevado, mas também ajudado por certa normalização nas reclamações de catástrofes naturais e menores perdas por litígios, em que sofreu elevadas perdas relacionadas com a COVID-19 no primeiro trimestre de 2020. No negócio Vida/Saúde, o lucro operacional avançou impulsionado pela recuperação da margem de investimento, enquanto a área de gestão de ativos, expandiu com incremento de ativos de terceiros sob gestão da Allianz.

“Allianz começou o ano com excelentes resultados em todos os segmentos da empresa. Um pontapé de saída encorajador para 2021 e que dá confiança para atingirmos as nossas metas de 2021″, afirma Oliver Bäte, CEO da Allianz SE, citado no mesmo comunicado.

Junto com os números do grupo, um briefing de imprensa revela os trimestrais da AGCS, subsidiária da Allianz no segmento de clientes empresariais e riscos globais.

A nota publicada no site da companhia indica que a Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) encerrou o trimestre com cerca de 2,94 mil milhões de euros em volume bruto de prémios, inferior em cerca de 70 milhões face ao faturado um ano antes, mas a beneficiar da evolução das tarifas, em particular, linhas financeiras, propriedade e aviação.

No final do trimestre, o rácio combinado foi calculado em 98,3%, uma melhoria superior a 19 pp face aos 117,5% de março de 2020 e refletindo menor volume de sinistros associados à Covid-19.

No termo do trimestre, a AGCS apurou 81 milhões de euros de lucro operacional, contra prejuízo de 141 milhões em igual período de 2020. A inversão nos resultados (222 milhões) é explicada por “menor impacto da pandemia Covid-19 e desempenho positivo na atividade de subscrição”, refere.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Allianz lucra 3,3 mil milhões até março, quer atingir 12 mil milhões no final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião