Endesa quer concurso para reconversão de central do Pego e propõe projeto de 600 milhões de euros

  • Lusa
  • 28 Maio 2021

A Endesa quer que o Governo lance novo concurso para a reconversão da central do Pego e propõe um projeto de 600 milhões de euros. Desativação da central afetará cerca de 85 empregos, diz presidente.

A Endesa, a segunda maior acionista da central de carvão do Pego, desativada a partir de novembro próximo, quer que o Governo lance novo concurso e propõe um projeto de 600 milhões de euros, adiantou o seu presidente.

Em declarações à Lusa, Nuno Ribeiro da Silva, presidente da Endesa Portugal, explicou que a empresa espanhola não se entendeu com o seu atual sócio na Tejo Energia, a TrustEnergy, para a apresentação de um projeto conjunto de substituição da central a carvão, e criticou a decisão desta entidade em avançar com uma reconversão baseada na biomassa.

“Desenhámos um conceito baseado em três pilares”, indicou, apontando para a “geração renovável com base em fotovoltaica”, a “acumulação de energia com base em séries de baterias” e o “hidrogénio verde que não só está na linha dos objetivos das políticas energéticas, como é um valor acrescentado para a região”.

Em cima da mesa, segundo informação disponibilizada pela Endesa, está um projeto de substituição da central elétrica a carvão que “inclui a construção de uma central solar fotovoltaica de 650 megawatts (MW), o desenvolvimento de 100 megawatts (MW) de capacidade de armazenamento com baterias e a instalação de um eletrolisador com capacidade de produção de 1.500 toneladas/ano de hidrogénio verde”.

Estamos cientes é que este conceito foi adotado pelo nosso sócio com um investimento de centenas de milhões de euros [900 milhões de euros] e nós prevemos que o nosso sejam 600 milhões de euros”, disse Nuno Ribeiro da Silva.

A TrustEnergy, um consórcio constituído pelos franceses da Engie e os japoneses da Marubeni, que detém 56% da central do Pego (a Endesa controla 44%) divulgou, no dia 17 de maio, um projeto de 900 milhões de euros.

A conversão da central a carvão do Pego para resíduos florestais locais, segundo o sócio da Endesa, é a “solução a curto prazo para abastecimento do sistema elétrico português com energia renovável despachável” (que pode funcionar quando for necessário independentemente das condições climatéricas), e “até que soluções alternativas para a adequada integração de fontes renováveis intermitentes sejam implementadas”, sendo que o modelo funcional preconizado irá incluir a utilização de outras fontes de energia de forma faseada, indicou a entidade.

Nuno Ribeiro da Silva disse que a Endesa apresentou o seu projeto “no âmbito das conversas com o sócio”, sendo que este “tem outro conceito, essencialmente baseado na reconversão daquela central, que é grande, para queima de biomassa”.

No entanto, o gestor alerta que “há uma escassez de biomassa para alimentar um ‘dragão’ daquele tamanho” e que, por isso, a central iria “comprar um problema enorme com vários setores industriais”, recordando que muitos deles são clientes da empresa.

“Íamos arranjar um ‘problemão’ porque há escassez de biomassa para fileiras industriais que têm mais valor acrescentado, como o papel, móveis, construção civil. Não há biomassa para uma central desta dimensão”, salientou, acrescentando que “a biomassa nomeadamente para centrais de grande escala está a ser posta em causa” na sua classificação de neutra em dióxido de carbono (CO2) em Bruxelas.

Para o gestor, deve pensar-se “numa reconversão de uma instalação para 20 ou 25 anos com base numa tecnologia que é de futuro” e não numa “posta em causa sobre a sua neutralidade carbónica”.

Nuno Ribeiro da Silva disse ainda que a Endesa e a TustEnergy andaram a discutir o projeto uma “série de tempo” e não chegaram “a uma convergência de ideias”.

“Não queremos estar a criar qualquer tipo de entrave de conflitualidade ou de complicação”, disse, realçando que se há “a oportunidade de fazer uma reconversão de uma tecnologia que está a acabar para uma tecnologia de futuro, não vamos fazer uma coxa, subsídiodependente” defendeu.

“Não chegamos a um acordo e nesse sentido temos falado com o Governo. Fizemos os maiores esforços e claramente estamos com visões diferentes do futuro. Face a isto penso que o que vai acontecer é o Governo pegar naquele ponto de ligação de cerca de 600 MW e colocar a concurso aberto. E nós lá estaremos”, garantiu Nuno Ribeiro da Silva, indicando que a Endesa irá avançar com o seu projeto individual.

Questionado sobre a possibilidade de Endesa vender a sua participação na central, o gestor reconheceu que “houve alguma abordagem, mas em condições que francamente não interessaram”. “Estamos convencidos que temos um projeto melhor e mais experiência em lidar com estas situações” do que outros players, rematou.

Desativação da central do Pego afetará cerca de 85 empregos

Ao mesmo tempo, o presidente da Endesa Portugal adiantou ainda à Lusa que a desativação da central a carvão do Pego, a partir de novembro, deverá afetar cerca de 85 empregos, mas ainda há alguns anos de trabalhos pela frente.

O gestor recordou que ao lado da central a carvão existe uma a gás, a Elecgas, dos mesmos sócios (Endesa e TrustEnergy), e que “há muitos serviços que são partilhados, nomeadamente manutenção, operação, entre a Elecgas e a Tejo Energia”. Ou seja, “com o fecho da central a carvão muitas das pessoas continuam a ter atividade no quadro da Elecgas”, garantiu.

Estimamos que há entre 80 e 85 pessoas que, com o fim de vida da [central] Tejo são diretamente impactadas” salientou. Ainda assim, “aconteça o que acontecer com o fim da atividade da central vai haver três ou quatro anos em que a sociedade tem de assumir a desativação” da infraestrutura, incluindo limpeza dos solos e outras atividades.

Nestes anos será mesmo preciso “mais pessoas do que estas”, referiu, salientando que a Endesa tem a “preocupação de entretanto pôr na rampa de lançamento outro projeto que vai necessitar de pessoas” para iniciar o “quanto antes a informação e formação para as preparar para este novo quadro e esta nova realidade tecnológica”.

A empresa garante ainda a “criação de empregos durante a fase de construção das instalações, operação e manutenção do novo empreendimento, capaz de assegurar, pelo menos, o atual nível de emprego de longa duração”.

Nuno Ribeiro da Silva realçou o trabalho que a Endesa está a fazer no descomissionamento das centrais em Espanha que “estão em diferentes estados de desativação” com preocupações como o impacto na economia na região e no emprego. “Temos feito não só a reconversão, mas também a nova formação das nossas pessoas para estas tecnologias e esta nova realidade, que é inexorável”, avisou.

“Temos feito programas de reanimação, reajuste da economia da formação das pessoas nos vários sítios onde isto está a acontecer”, revelou o presidente da Endesa Portugal.

Nuno Ribeiro da Silva disse inclusivamente que o trabalho da Endesa não se reduz aos trabalhadores e abrange quem vive nas zonas em causa, “para se adaptarem e prepararem para o que estas tecnologias, como por exemplo, a disponibilização do hidrogénio, irão proporcionar”.

Para o presidente da Endesa Portugal é importante que as pessoas se “familiarizem e sejam formadas num quadro de todo o cluster do hidrogénio que, ao ser disponibilizado pelos eletrolisadores que pretendemos montar, vai permitir a indústrias locais, transportes, serviços locais entrarem nesta nova tecnologia e nova era”, concluiu.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Endesa quer concurso para reconversão de central do Pego e propõe projeto de 600 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião