Melhoria na procura e recuo na produção fazem subir preços do petróleo

Brent negociado em Londres está no valor mais alto desde maio de 2019, enquanto o crude WTI negoceia em máximos de outubro de 2018. Analistas antecipam que o preço da matéria-prima continue a subir.

Os preços do petróleo seguem em alta há três semanas consecutivas, com um impulso dado pela melhoria na procura por combustíveis à medida que avança a vacinação contra a Covid-19 e que vão sendo retiradas restrições à circulação. Do outro lado, os produtores ainda estão a adotar uma política de limitação no petróleo que põem no mercado.

O Brent de referência europeia sobe 1% para 73,40 dólares por barril, no valor mais elevado desde maio de 2019. Já o West Texas Intermediate (WTI) ganha 0,8% para 71,47 dólares por barril, em máximos desde outubro de 2018.

A circulação de automóveis começa a regressar a níveis pré-pandemia tanto nos Estados Unidos como na Europa, enquanto o tráfego aéreo também está a recuperar, o que criou um ambiente propício a três semanas de subida dos preços dos benchmarks do petróleo. A perspetiva dos analistas é que a tendência se mantenha, sendo que o Goldman Sachs, por exemplo, apontou recentemente para que o Brent atinja os 80 dólares por barril ainda este verão.

Fonte: Reuters

“A curto prazo, o mercado petrolífero pode estar volátil com frequentes revés para os preços do crude já que a procura na Europa e Índia ainda enfrentam contrariedades. A tendência principal está, no entanto, intacta e retrocessos mais profundos até podem ser oportunidades de comprar barato“, explicou Avtar Sandu, senior manager commodities da Phillip Futures em Singapore, à Reuters.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os países aliados liderados pela Rússia, conhecidos como OPEP+, terão mesmo de aumentar a produção para responder à recuperação da procura, segundo defendeu a Agência Internacional de Energia (AIE) no seu relatório mensal publicado na sexta-feira.

A OPEP+ tem restringido a produção para sustentar os preços apesar do impacto da pandemia, mas está já a ajustar a oferta. No início do mês, o cartel anunciou que vai avançar com um aumento de 841 mil barris por dia no próximo mês.

Fora do grupo, o setor do petróleo nos EUA também já está a responder da mesma forma. Entraram, na última semana, mais seis plataformas de petróleo em operação no país, totalizando assim as 365. De acordo com a consultora energética Baker Hughes, este foi o maior aumento semanal desde abril de 2020.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Melhoria na procura e recuo na produção fazem subir preços do petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião