Detenção de Vieira provoca queda de 5,52% das ações do Benfica

Ações da SAD do Benfica recuaram 5,52% esta quarta-feira, a maior queda diária desde março de 2020. Uma descida em Bolsa no dia em que o presidente do clube, Luís Filipe Vieira, foi detido.

A detenção do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, já deixou marcas nas ações do clube. Esta quarta-feira, os títulos da SAD encarnada sofreram uma queda de 5,52%, tendo fechado o dia a negociar a 2,911 euros. É a maior descida diária dos títulos da SAD desde março do ano passado.

Na época o recuo das ações era explicado pelo surgimento do novo coronavírus em Portugal. A queda de esta quarta-feira terá origem na detenção de Luís Filipe Vieira na sequência de uma investigação relacionada com suspeitas de burla qualificada, abuso de confiança, falsificação, fraude fiscal e branqueamento de capitais, informa a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Apesar da descida, foram negociadas apenas 1.324 ações, um valor aquém da média diária de e 3.085 títulos dos últimos nove meses.

Queda em dia da detenção

A detenção do presidente do clube da Luz surge depois de buscas realizadas esta manhã envolvendo Luís Filipe Vieira e o amigo de longa data e maior acionista individual da SAD Benfica, José António dos Santos. Ele é um dos donos da empresa de agro-alimentar Valouro, sendo também conhecido como “Rei dos frangos”.

As buscas decorreram em vários locais e zonas do País. “No âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público do Departamento Central de Investigação e Ação Penal cuja investigação se encontra a cargo da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e com colaboração da Polícia de Segurança Pública (PSP), foram cumpridos cerca de 45 mandados de busca, abrangendo instalações de sociedades, domicílios, escritórios de advogados e uma instituição bancária. Estas buscas decorrem nas áreas de Lisboa, Torres Vedras e Braga.”

Tendo daí resultado a detenção de quatro pessoas, “dois empresários, um agente desportivo e um dirigente desportivo”, informa a PGR, referindo-se a Luís Filipe Vieira, Bruno Macedo, e o filho de Vieira, Tiago Vieira.

No processo investigam-se negócios e financiamentos em montante total superior a 100 milhões de euros, “que poderão ter acarretado elevados prejuízos para o Estado e para algumas das sociedades. Em causa estão factos ocorridos, essencialmente, a partir de 2014 e até ao presente e suscetíveis de integrarem a prática, entre outros, de crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento”, informa a PGR.

A PGR adiantou ainda que “os detidos serão presentes, previsivelmente no decurso do dia de amanhã, a primeiro interrogatório judicial com vista à aplicação, considerando a gravidade dos crimes e as exigências cautelares, de medidas coação diferentes do termo de identidade e residência.”

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Detenção de Vieira provoca queda de 5,52% das ações do Benfica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião