Preço das casas sobe em todas as freguesias do Porto. Em Lisboa há descidas até 14%

Na Invicta, todas as freguesias ficaram mais caras para comprar casa, mas o mesmo não aconteceu em Lisboa. Houve freguesias onde os preços caíram 14% no primeiro trimestre.

As casas ficaram 3% mais caras no primeiro trimestre e o valor do metro quadrado chegou aos 1.241 euros. Numa análise às duas principais cidades do país (Lisboa e Porto), em ambas se confirma a tendência. Mas na capital há discrepâncias notórias: houve freguesias onde os preços desceram, mas também se observaram subidas superiores a 14%, mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Porto, por sua vez, viu os preços subirem em todas as freguesias, com aumentos de quase 40%.

Entre janeiro e março, o preço mediano das casas foi de 1.241 euros por metro quadrado, um valor que representa uma subida de 4,5% face ao último trimestre de 2020 e de 3,1% face ao trimestre homólogo. “A evolução da taxa de variação homóloga entre o 4.º trimestre de 2020 e o 1.º trimestre de 2021, de 7,8% para 3,1%, evidencia uma desaceleração dos preços da habitação, interrompendo a aceleração verificada no último trimestre“, diz o INE.

Entre as várias cidades do país, o Porto destacou-se, ao ver os preços subirem 19,2%, para uma mediana de 2.233 euros por metro quadrado. Os dados mostram ainda que todas as freguesias da Invicta ficaram mais caras, com a União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde a ser a mais cara (2.857 euros/m2) e Campanhã a mais barata (1.667 euros/m2).

Para entender melhor estes valores, veja-se o exemplo: comprar um T2 com 70 metros quadrados em Aldoar, Foz do Douro ou Nevogilde poderia custar cerca de 199 mil euros, enquanto o mesmo T2 em Campanhã custaria cerca de 116 mil euros.

Contudo, em termos de evolução, o cenário muda. Campanhã assistiu à maior subida dos preços (38%, para 1.667 euros/m2), enquanto o Bonfim teve o aumento mais baixo (3,8%, para 2.007 euros/m2).

Lisboa, por sua vez, continua no pódio das cidades mais caras para se viver, mas assistiu a algumas reduções de preços e o valor mediano do metro quadrado fixou-se em 3.296 euros. Santo António é a freguesia mais cara para comprar casa (5.425 euros/m2), enquanto Santa Clara é a mais barata (2.097 euros/m2).

Feitas as contas, comprar um T2 com 70 metros quadrados em Santo António poderia custar cerca de 380 mil euros, enquanto o mesmo T2 em Santa Clara custaria cerca de 147 mil euros.

Em termos de evolução, o cenário em Lisboa é bastante diferente do do Porto. Carnide assistiu ao maior aumento dos preços (12,9%, para 3.416 euros/m2), mas houve 14 freguesias onde os preços caíram. A Misericórdia teve a maior queda (-14,3%, para 4.380 euros/m2), à frente de Santa Clara (-12,4%, para 2.097 euros/m2) e de Campo de Ourique (-7,9%, para 3.553 euros/m2).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Preço das casas sobe em todas as freguesias do Porto. Em Lisboa há descidas até 14%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião