BCP afunda mais de 5% após queda dos lucros por causa da Polónia

Queda das ações acontece depois da apresentação das contas referentes aos primeiros seis meses do ano, período em que os lucros afundaram mais de 80%.

O Banco Comercial Português (BCP) está a ser fortemente castigado em bolsa. As ações do banco liderado por Miguel Maya seguem a cair mais de 5%, com os investidores a reagirem negativamente aos resultados do primeiro semestre.

Os títulos arrancaram a sessão já em “terreno” negativo, pesando no desempenho da bolsa de Lisboa, isto num dia que está a ser de queda para a generalidade das bolsas do Velho Continente. Enquanto o PSI-20 cai 1,18%, o Stoxx 600 recua 0,3%.

Depois de estarem estado a cair 2,5% nos primeiros instantes da negociação, a queda foi ganhando expressão. Os títulos seguem agora a perder 5,16% para cotarem nos 12,14 cêntimos.

BCP afunda em bolsa

Esta queda, que mais do que anula os ganhos registados na sessão anterior, acontece depois da apresentação das contas referentes aos primeiros seis meses do ano.

O lucro do BCP caiu mais de 80% para 12,3 milhões de euros, com os resultados a serem penalizados com o reforço das provisões para os riscos legais com o caso dos empréstimos em francos suíços na Polónia e com os custos de reestruturação.

Na apresentação das contas, Miguel Maya alertou ainda para as provisões por causa do negócio na Polónia, deixando por isso de lado qualquer meta em termos do regresso ao pagamento de dividendos. Prefere aguardar pelas contas de setembro.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BCP afunda mais de 5% após queda dos lucros por causa da Polónia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião