Estas portas só vão abrir com certificado digital ou teste negativo

O Governo decidiu alargar a utilização do certificado digital Covid-19 aos ginásios, para aulas de grupo, às termas e spas e aos casinos e bingos. Em outubro é para bares e discotecas.

Tal como tinha sido admitido pelo ministro da Economia, o Governo decidiu alargar a mais situações do dia-a-dia a utilização do certificado digital Covid-19, o qual pode ser emitido e ser válido através da vacinação completa, de um teste negativo elegível ou de prova que teve a doença há menos de seis meses. Esta foi a forma que o Conselho de Ministros desta quinta-feira encontrou para abrir mais a atividade económica numa altura em que o nível de casos ainda continua elevado.

De acordo com a apresentação desta quinta-feira, após o Conselho de Ministros feita pelo primeiro-ministro, o certificado digital Covid-19 (ou o teste negativo) será necessário para entrar nas seguintes atividades: ginásios, para aulas de grupo; termas e spas; casinos e bingos; e eventos culturais, desportivos ou corporativos com mais
de 1.000 pessoas (em ambiente aberto) ou 500 pessoas (em ambiente fechado) e casamentos e batizados
com mais de 10 pessoas.

Mantém-se a utilização do certificado digital (ou o teste negativo) para as viagens por via aérea ou marítima, para o acesso aos estabelecimentos turísticos e alojamento local e para os restaurantes no interior, ao fim de semana e feriado, os quais passam a estar abertos até às 2h da manhã a partir de 1 de agosto.

As regras são idênticas para todo o país, há o eliminar as exceções horárias e utilização intensiva do certificado de vacinação ou, em alternativa, de teste rápido“, disse António Costa.

Além disso, na terceira fase, no início de outubro, bares e discotecas poderão abrir e também aí será obrigatório a apresentação do certificado digital ou de um teste negativo.

Esta quarta-feira, em declarações aos jornalistas, Siza Vieira disse que “é provável que tenhamos a utilização” do certificado digital “durante algumas semanas”, argumentando que “é sempre preferível isso do que encerrar atividades”. E foi mais longe, admitindo o alargamento da sua utilização: “Faz-me sentido que isso possa ser alargado a outros municípios, a outras regiões do país e assim facilitar a vida não apenas aos utentes mas também aos restaurantes“, acrescentou.

Atualmente é obrigatória a apresentação do certificado digital Covid-19 (ou a apresentação de um teste negativo, o qual também dá para emitir o certificado) nos concelhos de risco elevado ou muito elevado, os quais cobram a maioria da população portuguesa, quando se quer fazer refeições no interior dos restaurantes à sexta-feira à noite e durante o fim de semana (e aos feriados). Além disso, em todo o país é preciso também apresentá-lo para entrar num alojamento turístico.

Esta medida fez com que o restaurantes dos concelhos afetados pudessem fechar mais tarde, mas só ao fim de semana, passando a hora de encerramento das 15h30 para as 22h30.

(Notícia atualizada às 17h59 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estas portas só vão abrir com certificado digital ou teste negativo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião