Há um novo recorde de casas decimais do Pi: são 62,8 biliões

  • Carolina Bento
  • 17 Agosto 2021

Este cálculo recorde foi feito por uma universidade suíça e está à espera de aprovação do Livro do Guiness.

De certo já ouviu falar do Pi, ou já viu a letra grega π nas aulas de matemática. É conhecido por ter muitas casas decimais, mas tem muitas mais do que se imagina. Uma universidade na Suíça conseguiu calcular o maior número de casas decimais de sempre do número Pi, chegando aos 62,8 biliões.

Os últimos números que se conhecem do Pi, graças ao trabalho da Universidade de Ciências Aplicadas dos Grisões, na Suíça, são 7817924264, divulgou a universidade em comunicado. Esta é uma descoberta importante nos campos da matemática e tecnologia, ainda que seja impossível descobrir todas as casas decimais do Pi.

O anterior número recorde de casas decimais conhecido era 50 biliões. Mas, agora, descobriram-se mais 12,8 biliões de números novos. Todos esses números só serão divulgados quando a universidade souber o resultado do pedido de aprovação do recorde mundial por parte do Livro do Guiness.

O cálculo foi executado por um computador de alto desempenho, do Center for Data Analytics, Visualization and Simulation (DAViS). A operação demorou 108 dias e 9 horas, menos ainda do que o recorde anterior atingido pela Google. “É, portanto, quase duas vezes mais rápido que o recorde que o Google estabeleceu em sua nuvem em 2019, e cerca de 3,5 vezes mais rápido que o último recorde mundial de 2020”, refere o comunicado.

Com este desafio, a universidade pretendia atingir vários objetivos, afirmou o professor Dr. Heiko Rölke, chefe do DAViS. Mais ainda do que os contributos para o mundo da matemática, esta descoberta, segundo Thomas Keller, demonstrou a capacidade da universidade para “o uso intensivo de dados e computação em pesquisa e desenvolvimento”. Este conhecimento pode ser usado em várias àreas, como “análises de RNA, simulações de fluxo e análises de texto”, diz a universidade. Contudo, também pôs a nu “fragilidades na infraestrutura, como capacidades insuficientes de backup”, avisou Keller.

O número Pi é genericamente conhecido como 3,14 e serve para calcular o volume de objetos redondos e o comprimento de uma circunferência. É irracional e infinito e a fórmula de cálculo vigente hoje em dia foi descoberta em 1988 pelos irmãos Chudnovsky. Contudo, esta não foi a primeira vez que se conseguiu calcular o número Pi: os matemáticos debruçam-se sobre o número infinito desde o tempo dos Egípcios. O número 3,1429 foi calculado pela primeira vez por Arquimedes e, mais tarde, no século II d.C, Ptolomeu conseguiu uma aproximação melhor, com 3,1416, e o número tem sofrido alteralções desde então.

Atualmente, o número Pi é usado no funcionamento das redes móveis, na criação de mapas para GPS e rotas para aviões, entre outros. Para celebrar esta ferramenta tão importante na matemática e tecnologia, criou-se o Dia do Pi, celebrado a 14 de março.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Há um novo recorde de casas decimais do Pi: são 62,8 biliões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião