“Desconfinamento é positivo, mas não é suficiente”, diz AHRESP

A AHRESP elogia a antecipação do desconfinamento, mas considera que "não é suficiente" e apela ao Governo para manter os apoios económicos.

Em reação às decisões do Conselho de Ministros extraordinário desta sexta-feira, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) considera que a antecipação da segunda fase do plano de desconfinamento “é positivo, mas não é suficiente”. Para a associação as restrições do país continuam a estar “muito longe do regresso à normalidade”.

“Estas medidas, apesar de positivas, estão muito longe do regresso à normalidade, pelo que a AHRESP alerta uma vez mais para o devido cumprimento das regras básicas de higiene e segurança, nas quais os nossos estabelecimentos têm sido exemplares“, afirma a associação no seu boletim diário desta sexta-feira, admitindo que tem existido uma “melhoria no funcionamento” das empresas do setor.

Porém, “continuamos com prejuízos acumulados há cerca de ano e meio, pelo que a AHRESP considera importante a continuidade de apoios específicos para compensar as perdas até agora registadas”, alerta. Em entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro mostrou abertura para manter em 2022 os apoios à economia, nomeadamente o lay-off simplificado, para as empresas que necessitarem.

A AHRESP insiste que é necessária a “implementação das 10 medidas contempladas no programa ‘Enfrentar a Pandemia | Garantir a Sobrevivência’, entregue ao Governo a 12 de julho, é assim essencial para que as empresas consigam sobreviver até se iniciar a retoma da atividade económica”.

O Governo decidiu esta sexta-feira antecipar a segunda fase do plano de desconfinamento anunciado no final de julho, a qual estava programada para o início de setembro mas foi antecipada uma vez que o país atingiu esta quarta-feira a meta de 70% da população completamente vacinada.

Ficou assim definido o alívio das seguintes regras a partir de 23 de agosto:

  1. O número de pessoas por grupo no interior dos estabelecimentos de restauração e similares passa de 6 para 8 pessoas, e nas esplanadas de 10 para 15 pessoas;
  2. Os eventos, quer de natureza familiar, incluindo casamentos e batizados, quer culturais em recintos de espetáculo de natureza fixa, passam a ter o limite de ocupação de 75 %;
  3. A partir de 1 de setembro, as Lojas de Cidadão passam a prestar o atendimento presencial sem necessidade de recurso a marcação prévia;
  4. Os transportes públicos deixam de ter limitação da sua capacidade de lotação e passa a ser permitida a utilização dos bancos dianteiros no transporte em táxi e no transporte individual e remunerado de passageiros em veículos descaracterizados a partir de plataforma eletrónica;
  5. A ocupação, permanência e distanciamento físico relativa à afetação dos espaços acessíveis ao público passa a ter máxima indicativa 1 pessoa por cada 12,5 m2.

Contudo, o fim da obrigação de usar máscara na rua quando não é possível haver distanciamento social só deverá acontecer mais tarde, a 12 de setembro, por decisão do Parlamento, que foi quem legislou sobre o tema.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Desconfinamento é positivo, mas não é suficiente”, diz AHRESP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião