Ministério Público espanhol diz que Juan Carlos I foi “comissionista internacional”

  • ECO
  • 3 Setembro 2021

O Ministério Público de Espanha alerta para a possível prática de quatro crimes: branqueamento de capitais, contra as finanças públicas, suborno e tráfico de influências.

Um procurador do Supremo Tribunal de Espanha vê “indícios” de que a fortuna do rei emérito Juan Carlos I provém de “comissões e outros benefícios de natureza semelhante em virtude da sua intermediação em acordos comerciais internacionais”, revela o jornal El Mundo (acesso condicionado).

Segundo o jornal espanhol, o Ministério Público do país pediu ao homólogo suíço para que enviasse todas as informações de que dispõe sobre a Fundação Zagatka, propriedade do primo do monarca, Álvaro de Orleans, que pagou despesas pessoais substanciais do rei emérito. Uma das comissões rogatórias, enviadas a 24 de fevereiro ao Gabinete Federal de Justiça da Suíça, solicita todas as contas que existam naquele país sobre a fundação entre 2016 e 2019.

As fontes do Ministério Público não puderam especificar o conteúdo e os detalhes das cartas rogatórias, mas alertam para a possível prática de quatro crimes: branqueamento de capitais, contra as finanças públicas, suborno e tráfico de influências.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Ministério Público espanhol diz que Juan Carlos I foi “comissionista internacional”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião