Toyota corta previsão da produção global para cerca de 9,3 milhões de veículos

  • Lusa
  • 10 Setembro 2021

O corte deve-se à diminuição nas operações de vários fornecedores locais devido à disseminação prolongada da Covid-19 no sudeste da Ásia e ao impacto (negativo) da oferta limitada de 'chips'.

O fabricante japonês Toyota revelou esta sexta-feira que reduziu a previsão da produção global deste ano para cerca de 9,3 milhões de veículos, devido ao impacto persistente da Covid-19 e aos problemas com o fornecimento de ‘chips’.

A Toyota prevê agora fabricar cerca de 9,3 milhões de veículos este ano, o que representa um corte de 3,2%, refere o fabricante japonês em comunicado.

A divulgação da alteração nas previsões para o final do ano ocorre, em simultâneo, com um corte adicional na produção de 70.000 unidades em setembro (que já tinha sido reduzida em 360.000 anteriormente) e com um corte na produção de 330.000 unidades previsto para o mês de outubro.

A razão para este corte foi, mais uma vez, justificada com “a diminuição nas operações de vários fornecedores locais devido à disseminação prolongada do novo coronavírus no sudeste da Ásia e ao impacto (negativo) da oferta limitada de semicondutores”, adiantou.

No entanto, o principal fabricante de automóveis no Japão, em volume de vendas, manteve as suas previsões financeiras para o final deste ano.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Toyota corta previsão da produção global para cerca de 9,3 milhões de veículos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião