Groundforce deve 155 milhões de euros a cerca de 3.000 credores

  • ECO
  • 17 Setembro 2021

No topo da lista dos credores está a TAP, que também é acionista, assim como a gestora aeroportuária ANA, a seguradora Fidelidade e os trabalhadores.

A Groundforce deve cerca de 155 milhões de euros a cerca de 3.000 entidades e pessoas. Será este o valor que vai estar no centro da assembleia de credores da empresa de handling, que vai ter lugar na próxima quarta-feira, no tribunal de Monsanto, avança o Público (acesso condicionado).

No topo da lista está a TAP, que também é acionista e desencadeou o processo de insolvência, assim como a gestora aeroportuária ANA, a seguradora Fidelidade e os trabalhadores, devido aos “créditos efetivos e condicionais”, como as anuidades, segundo explicou a Comissão de Trabalhadores. Estas três empresas fazem também parte da comissão de credores.

Os gestores de insolvência defendem que a Groundforce deve continuar em atividade, sendo que está também a ser analisada a venda de ativos à TAP, indica o mesmo jornal. Os administradores reconhecem a necessidade de um plano de recuperação, que poderá até vir a ser apresentado pelos próprios.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Groundforce deve 155 milhões de euros a cerca de 3.000 credores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião