Altice, NOS e Vodafone contrataram 780 na pandemia. Têm mais de 130 vagas até final do ano

Operadoras nacionais reforçaram quadro de colaboradores mesma na fase mais dura da pandemia. Até ao final do ano as três principais operadoras vão reforçar força de trabalho.

Nem a pandemia abrandou o ritmo de contratação das operadoras nacionais, que desde março do ano passado recrutaram 780 colaboradores, e não dão sinais de fechar o processo de renovação das equipas. Até ao final do ano, Altice, NOS e Vodafone querem contratar mais de 130 colaboradores. Engenharia, data science e analytics, suporte ao negócio, marketing são alguns dos perfis procurados.

“Desde o início de 2020 e até ao momento, a NOS já recrutou mais de 300 pessoas. Mas ainda estão em aberto 60 vagas para serem preenchidas até ao final do ano”, adianta Isabel Borgas, diretora de Pessoas e Organização da NOS.

“A preparação para a chegada do 5G, a aposta em tecnologias inovadoras como inteligência artificial, machine learning e robótica, ou o desenvolvimento de áreas críticas como ciência de dados, cloud, cibersegurança e analytics, ditaram a necessidade da NOS continuar a reforçar as suas equipas, independentemente da situação pandémica que temos vivido”, refere a responsável.

Um reforço que vem igualmente por via do programa NOS Alfa, dirigido a recém-licenciados, que decorreu mesmo durante a pandemia, e cuja nova edição arrancou no passado dia 11 de outubro. No final do programa, que tem a duração de 12 meses, os jovens integram os quadros da empresa.

vodafone espanha

Na Vodafone o ritmo de contratações também não abrandou com a eclosão da pandemia. Recrutaram 200 pessoas durante a pandemia, com 7% do recrutamento efetuado para posições de liderança — de administradores a managers — e 30% recém-licenciados, com idades abaixo dos 26 anos.

“As áreas que receberam mais pessoas foram a área da tecnologia (46%) e a unidade de negócios particulares (27%). Mais de metade do recrutamento foi para funções digitais e foram necessidades de recrutamento associadas a business cases, como resultado da estratégia da empresa, que passa pelo recrutamento de competências desta natureza”, adianta fonte oficial à Pessoas.

“As contratações em período de pandemia obrigaram a uma ajuste do processo, de modo a criar uma maior proximidade e engagement com os candidatos resultado da distância física a 100%”, refere fonte oficial da companhia. No entanto, já antes da pandemia, “uma parte dos processos de recrutamento da Vodafone já eram realizados virtualmente, quer pelas metodologias de assessment (já muito digitalizadas), quer pela prática de realizar estes processos para posições e com colegas do grupo que estão em outras geografias, pelo que a adaptação foi bastante rápida e natural”, ressalva.

O Onboarding, a integração de colaboradores remotamente, durante a pandemia, foi um “desafio”, admite a companhia, “dado que todo o processo teve que passar a 100% remoto implicando a redefinição total do processo – desde a entrega dos equipamento, passando pelas atividades das equipas até aos momentos de formação.”

Agora, com a passagem para o modelo de trabalho híbrido — a empresa regressou ao escritório em finais de setembro neste modelo — “coloca-se mais uma vez o desafio de transformação e de adaptação do onboarding, de modo a assegurar os ganhos de eficiência e acima de tudo garantir a boa experiência que tem vindo a ser reportada pelos recém-contratados com o onboarding remoto”.

“No que respeita ao acolhimento e integração na equipa, a Vodafone considera que os benefícios do presencial são evidentes, pelo que desde que foi iniciado o regresso à sede, no final de setembro, os momentos de integração com a chefia e o acolhimento com o “buddy” e a equipa já estão a acontecer presencialmente”, refere ainda.

Será, portanto, de forma presencial que vai decorrer o onboarding dos futuros quadros da operadora. Neste momento, há 73 vagas em aberto — 64 para profissionais com diferentes níveis de senioridade e nove para recém-licenciados, informa a empresa.

“Sendo que 60% deste recrutamento é para as áreas de tecnologia, onde se destacam algumas funções: Desenvolvimento de software (backend, frontend e fullstack), Produto (TV Product Manager, Content Product Manager), IOT (IoT Test Lead Engineer, IOT Product Owner), Analytics (Data Scientist, Data Analytics Expert), Comercial (Account Manager) e Support Functions (Finance, Legal Advisor, Communication Assistant)“, descreve.

“A aposta no rejuvenescimento da base de colaboradores, na formação e na especialização são fatores essenciais neste setor em que há uma constante exigência e competitividade empresarial. Apesar da situação de pandemia, a Altice Portugal tem dado continuidade ao processos de procura de talento“, refere fonte oficial da dona do Meo.

Assim, em 2020 e 2021, em pleno contexto de pandemia, a Altice Portugal “realizou 280 novas contratações, 110 estágios académicos e perto de 200 estágios profissionais, visando uma maior adaptação de perfis às novas tecnologias. Paralelamente, reforçámos a nossa aposta em formação, com vista à qualificação e desenvolvimento de competências técnicas dos nossos profissionais.”

“Temos promovido uma relação de proximidade com as universidades, desenvolvemos uma Academia Técnica (vocacionada para alunos do ensino técnico-profissional das áreas de redes, energia, robótica, automação, programação ou informática) e o DarWin (programa de trainees para recém-graduados focados em áreas específicas como a economia digital, as tecnologias emergentes e planeamento tecnológico)”, descreve.

“A par destes programas estruturados e desenhados à medida das necessidades da Organização, a Altice Portugal promove vários estágios profissionais, curriculares e estágios de verão com destaque para o “Altice Summer Experience” (com duração de um mês, dirigido aos filhos de colaboradores que terminaram o 12º ano e que passam, desta forma, por uma primeira experiência profissional)”, refere ainda.

Processo e reforço de equipas que continua, apesar de a companhia ter em marcha um processo de despedimento coletivo de cerca de 200 pessoas. “Os processos de recrutamento em curso encontram-se disponíveis no site e no LinkedIn da Altice Portugal focando-se, essencialmente, em perfis de engenharia de redes, gestor de negociação, project manager e business developer.” Neste momento, no site da empresa estão listadas 6 ofertas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Altice, NOS e Vodafone contrataram 780 na pandemia. Têm mais de 130 vagas até final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião