Vieira da Silva diz que “ninguém sairia reforçado com eleições antecipadas”

  • ECO
  • 25 Outubro 2021

O ex-ministro António Vieira da Silva defende que a discussão da legislação laboral não deveria estar a ser feita a par do Orçamento e vê com maus olhos um cenário de eleições antecipadas.

O ex-ministro do Trabalho e da Segurança Social, António Vieira da Silva, considera que avançar para eleições antecipadas, no caso de chumbo do Orçamento do Estado, iria causar um “dano sério ao país”, em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios (acesso condicionado).

Para o ex-governante, eleições antecipadas prejudicariam a recuperação económica e social do país, sendo que também não seriam benéficas para os principais partidos, já que nenhum sairia reforçado. Assim, Vieira da Silva apela aos entendimentos, sublinhando que a incerteza e a perturbação subsistem e aconselham cautelas.

Vieira da Silva defende ainda que a discussão da legislação laboral não deveria estar a ser feita a par do Orçamento. “Não é desejável fazer depender o orçamento das alterações à legislação laboral”, aponta, porque essa “exige um plano de reflexão e visualização estratégica que não existe no Orçamento do Estado, que é um instrumento de gestão de conjuntura”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Vieira da Silva diz que “ninguém sairia reforçado com eleições antecipadas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião