Café atinge máximos de sete anos

  • ECO
  • 12 Novembro 2021

Os futuros do café arábica para entrega em março estão a valorizar 2,6% para 2.189 dólares por tonelada, o valor mais alto desde 16 de outubro de 2014.

Do Brasil ao Vietname, os produtores de café estão a registar problemas com as más condições meteorológicas, os custos mais altos com fertilizantes e dificuldades no transporte, o que está a atirar o preço da matéria-prima para máximos de sete anos em Nova Iorque.

Os futuros do café arábica para entrega em março estão a valorizar 2,6% para 2.189 dólares por tonelada, o valor mais alto desde 16 de outubro de 2014. No último ano, a cotação do café dispara mais de 90%.

O Brasil, o maior produtor, está a enfrentar uma queda abrupta na produção depois de a seca e a geada terem destruído as árvores, enquanto a Colômbia, o segundo maior fornecedor do café arábica, lida com o excesso de chuva que está a condicionar a atividade e ameaça trazer doenças às plantas.

Pelo meio, os produtores têm de lidar com o aumento dos preços dos fertilizantes e com os elevados custos de transporte, perante a falta de navios porta-contentores que está a criar constrangimentos sérios na exportação dos grãos.

A escala dos futuros ameaça tornar mais caro o preço do café que tomamos no dia-a-dia ou que compramos no supermercado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Café atinge máximos de sete anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião