Salário médio da função pública sobe 0,2% para 1.536,3 euros brutos

No terceiro trimestre deste ano, o salário médio da função pública situava-se nos 1.536,3 euros brutos, subindo 0,2% em termos homólogos. O crescimento é contido pelas aposentações.

A saída de trabalhadores mais velhos e com salário mais elevados, os quais são substituídos por profissionais mais jovens com salários mais baixos, tem contido o crescimento da remuneração base média da função pública. Os dados do terceiro trimestre de 2021 divulgados esta segunda-feira pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) mostram que o salário aumentou 0,2% em termos homólogos para os 1.536,30 euros brutos.

Em julho de 2021, o valor da remuneração base média mensal dos trabalhadores a tempo completo no setor das administrações públicas situava-se em cerca de 1.536,30 euros, correspondendo a uma variação global média de +0,01%, em relação ao mês de referência do trimestre precedente (abril 2021), e a uma variação homóloga de +0,2%”, revela a DGAEP. Estes valores são brutos, ou seja, ainda serão alvo dos descontos para o IRS e Segurança Social.

Este valor resulta do “efeito conjugado da entrada e saída de trabalhadores com diferentes níveis remuneratórios e da atualização do valor da Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG) e do valor da base remuneratória, atualmente nos 665 euros”, explica ainda a Direção-Geral da Administração e do Emprego Público.

Ou seja, há fatores a pressionar em alta o salário médio, como é o caso do aumento do salário mínimo e das promoções e progressões que resultam das respetivas carreiras da função pública — em 2021 não houve aumento dos salários como em 2020 (e como deverá haver em 2022) uma vez que a inflação foi negativa no ano anterior.

Mas também há um pesado fator a pressionar em baixa: a reforma dos trabalhadores mais velhos e com salários mais elevados, os quais são substituídos por trabalhadores mais novos e com salários mais baixos. Recorde-se que na função pública o número de anos é determinante para a evolução na carreira e, por isso, para o valor do salário.

Além da remuneração base, a DGAEP também revela o ganho mensal, o qual engloba prémios e subsídios ou suplementos regulares e pagamentos por horas suplementares ou extraordinárias. Neste caso, o valor médio era de 1.805,2 euros brutos em julho de 2021, registando uma subida de 0,4% em termos homólogos.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados na semana passada mostravam que os salários no setor privado tinham aumentado 3,4% no terceiro trimestre para os 1.221 euros brutos. “As diferenças nos níveis remuneratórios médios entre o setor das Administrações Públicas e o setor privado refletem, entre outras, diferenças no tipo de trabalho realizado e nas qualificações dos trabalhadores que os integram. Com efeito, verifica-se que os trabalhadores do setor das Administrações Públicas têm, em média, níveis de escolaridade mais elevados”, explicava o gabinete de estatísticas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Salário médio da função pública sobe 0,2% para 1.536,3 euros brutos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião