DGS manda estudar vacinação nas crianças dos 5 aos 11 anos

À espera do regulador europeu, uma comissão técnica com especialistas da área pediátrica, cardiologia, enfermeiros e farmacêuticos já avalia o custo-benefício de alargar a vacinação aos mais jovens.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) mandou reativar nos últimos dias a comissão técnica que no verão avaliou a vacinação dos adolescentes contra a Covid-19, desta feita para emitir um parecer sobre a possibilidade de avançar também com a inoculação das crianças entre os 5 e os 11 anos.

Segundo a RTP, que avançou com a notícia, entretanto já confirmada pela DGS, esse grupo integra especialistas da área pediátrica, de cardiologia pediátrica, da Ordem dos Médicos, enfermeiros e farmacêuticos. A equipa não terá mais de uma dezena de elementos e tem como mandato a análise dos prós e contras da vacinação da população nesta faixa etária.

O organismo liderado por Graça Freitas está a antecipar-se à possível avaliação positiva por parte da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), que, de acordo com a Reuters, deverá anunciar na próxima quarta-feira as conclusões do estudo sobre a administração da vacina da Pfizer e da BioNTech nestas crianças.

Questionado este sábado sobre se Portugal deve seguir essa recomendação, caso seja dada luz verde pelo regulador europeu, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, disse este sábado que o Executivo socialista vai “esperar pelas decisões da DGS, que é o órgão técnico, obviamente que articulado com as decisões que são tomadas a nível internacional”. “A DGS tem tomado boas decisões no tempo certo”, ressalvou.

Numa fase em que Portugal regista uma maior incidência de casos positivos, sobretudo em crianças até aos 9 anos de idade, a possibilidade de vacinar esta população parece estar a dividir os especialistas. Na reunião realizada no Infarmed, na sexta-feira, o presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, Henrique Barros, referiu que essa matéria deve ser “uma prioridade”.

“Não faz sentido enquanto não tivermos mais dados que comprovem a utilidade da vacina para as próprias crianças. Não é uma questão de segurança, mas de utilidade”, contrapôs Miguel Castanho, investigador do Instituto de Medicina Molecular (IMM), em declarações à RTP.

Não há um benefício evidente para a população infantil. (…) Não estão a necessitar de tratamento nem a pressionar os hospitais.

Jorge Amil Dias

Presidente do colégio da especialidade de pediatria da Ordem dos Médicos

Também o presidente do colégio da especialidade de pediatria da Ordem dos Médicos, Jorge Amil Dias, considerou, citado pelo Público, que “não há um benefício evidente para a população infantil”, lembrando que, apesar de infetadas com o novo coronavírus, raramente ficam doentes. “Não estão a necessitar de tratamento nem a pressionar os hospitais. O que está a pressionar as urgências de pediatria atualmente é a infeção pelo vírus sincicial respiratório”, acrescentou.

Enquanto a agência europeia ainda avalia a questão e cada país vai pensando no custo-benefício da medida, nos EUA, o regulador do medicamento (FDA) já autorizou a vacinação das crianças a partir dos cinco anos, estando esse processo no terreno desde o início de novembro, com aproximadamente mais 28 milhões de crianças elegíveis no país.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

DGS manda estudar vacinação nas crianças dos 5 aos 11 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião