Quase 78% dos trabalhadores ficaram “presos” ao salário mínimo

  • ECO
  • 23 Novembro 2021

A maioria dos trabalhadores que em julho de 2020 recebiam a retribuição mínima mensal garantida de 2020 continuavam a recebê-la um ano depois, indica um estudo feito para o Ministério do Trabalho.

Quase 78% dos trabalhadores portugueses que recebiam o salário mínimo em julho do ano passado, então fixado em 635 euros, continuavam a recebê-lo um ano depois, altura em que foi aumentado para 665 euros. A conclusão resulta de um estudo do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho, citado pelo Jornal de Negócios (acesso pago).

Contas feitas, só cerca de 20% dos trabalhadores conseguiu passar para escalões de remuneração acima da retribuição mínima mensal garantida. E apenas 11% das pessoas que estavam a receber o salário mínimo conseguiram subir para um escalão acima do montante proposto pelo Governo para 2022 (705 euros).

O estudo do GEP tem por base as declarações entregues pelas entidades patronais à Segurança Social de 2,3 milhões de trabalhadores por conta de outrem, ou membros de órgãos estatutários. A discussão em Concertação Social sobre a evolução do salário mínimo deverá ficar fechada esta sexta-feira.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Quase 78% dos trabalhadores ficaram “presos” ao salário mínimo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião