Brent dispara mais de 3% em antecipação a duelo entre OPEP+ e grandes consumidores

  • Lusa e ECO
  • 24 Novembro 2021

EUA, China, Índia, Japão e outros países consumidores de petróleo decidiram coordenar-se para libertarem de forma concertada cerca de 50 milhões de barris de petróleo. Cotação do Brent disparou.

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em janeiro terminou esta terça-feira no mercado de futuros de Londres em alta de 3,18%, para os 82,19 dólares. Esta quarta-feira, a tendência mantém-se, estando o barril agora nos 82,45 dólares.

O crude do Mar do Norte, de referência na Europa, concluiu a sessão de terça-feira no International Exchange Futures a cotar 2,53 dólares acima dos 79,66 com que fechou as transações na segunda-feira.

A cotação do Brent disparou depois de se saber que EUA, China, Índia, Japão e outros países consumidores de petróleo iam coordenar-se para libertarem de forma concertada cerca de 50 milhões de barris de petróleo das suas reservas estratégicas. Este plano, concebido para diminuir os preços do petróleo e favorecer a expansão económica pós-pandemia, provocou um efeito inicial oposto no mercado.

Os analistas acreditam que a ação coordenada por Washington pode levar a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os seus aliados, como a Federação Russa, que formam o designado OPEP+, a tomarem medidas que visem contrariar os efeitos pretendidos por aqueles grandes consumidores. Os analistas admitem que o OPEP+, liderado por sauditas e russos, decida inverter a sua intenção de aumentar em 400 mil barris diários a sua produção em dezembro.

O plano de Washington “talvez tivesse tido mais impacto se os EUA tivessem esperado para agir até depois do anúncio da subida da produção do OPEP+ em dezembro”, considerou Michael Hewson, analista da CMC Markets. Em todo o caso, a libertação de reservas é de “uma escala sem precedentes” na “história recente do mercado de petróleo”, salientou Bjornar Tnohaugen, da Rystad Energy.

Esta é a primeira vez em que estes países, incluindo a China, fazem uma libertação (de reservas) coordenada. A última vez que se viu algo similar foi durante a guerra civil na Líbia em 2011, quando os países da AIE (Agência Internacional de Energia) libertaram reservas de maneira conjunta, mas naquela ocasião sem a China”, sublinhou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Brent dispara mais de 3% em antecipação a duelo entre OPEP+ e grandes consumidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião