ECO do Dinheiro. As novas tabelas de IRS deixam mais dinheiro no bolso?

  • ECO
  • 7 Dezembro 2021

O Governo já revelou as novas tabelas de retenção na fonte de IRS, que refletem o aumento do mínimo de existência e retenções na fonte mais próximas do imposto efetivo.

  • O Governo já revelou as novas tabelas de retenção na fonte de IRS. Mas será que lhe põem mais dinheiro no bolso? Veja o vídeo:

As tabelas para 2022 refletem o aumento do salário mínimo para 705 euros e, por arrasto, do chamado mínimo de existência, que é o valor até ao qual não se paga imposto. Isto significa que no próximo ano haverá mais contribuintes que ficam isentos de pagar IRS. Neste caso, são 86 milhões de euros em receita fiscal que o Estado deixa de arrecadar e que ficam no bolso dos trabalhadores.

As tabelas de IRS definem a taxa de imposto aplicada aos rendimentos que é retida mensalmente para ser entregue às Finanças. Só que há uma diferença entre o que é retido e o que é efetivamente devido. A outra alteração nas tabelas para o próximo ano foi diminuir esta diferença.

Neste caso, embora a medida tenha um impacto orçamental de 89 milhões, não há uma redução do imposto a pagar. O contribuinte terá mais uns poucos euros no bolso todos os meses durante o próximo ano, mas receberá um reembolso menor, ou mesmo nenhum, em 2023.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

ECO do Dinheiro. As novas tabelas de IRS deixam mais dinheiro no bolso?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião