Nas notícias lá fora: pensões, Deutsche Bahn e Petrobras

  • ECO
  • 7 Dezembro 2021

O Governo espanhol diz ser possível subir as pensões mais altas no país. Na Alemanha, a Deutsche Bahn não terá dado toda a informação ao seu auditor num caso de alegada fraude que a envolve.

O Executivo espanhol garante ser possível uma subida das pensões mais altas. Na Alemanha, a empresa ferroviária Deutsche Bahn não terá dado toda a informação ao seu auditor num caso de alegada fraude naquele que é o maior projeto de infraestruturas no país. A Petrobras, a maior empresa brasileira, concluiu a venda de três centrais termoelétricas. Conheça estas e outras notícias que marcam a atualidade internacional esta terça-feira.

Expansión

Ministro espanhol da Segurança Social garante que é possível subir as pensões mais altas

O ministro espanhol da Inclusão, Segurança Social e Migrações, em entrevista ao Expansión, defendeu que “é possível aumentar as pensões mais elevadas”. José Luis Escrivá revelou que o Governo vai negociar “com os parceiros sociais para que o aumento do período de descontos sirva para escolher os melhores anos para a pensão”. O responsável indicou ainda que o objetivo do Executivo é que o fundo público de pensões tenha dez milhões de pessoas em 2030.

Leia a notícia completa no Expansión (acesso pago, conteúdo em espanhol)

Financial Times

O operador ferroviário Deutsche Bahn não “informou devidamente” o seu auditor PwC sobre alegações de fraude no maior projeto de infraestruturas da Alemanha, uma decisão que, segundo os especialistas, ficou aquém do que é exigido pelas normas de auditoria alemãs e internacionais. Em causa está uma denúncia de que a má gestão e a suspeita de corrupção estavam por detrás do custo espiral da construção da nova estação ferroviária de Estugarda. A revelação das alegações, feita por dois denunciantes em 2016, aprofundou a controvérsia sobre um projeto, em que o orçamento inicial mais do que triplicou para 8,2 mil milhões de euros. Um dos denunciantes estimou até que a alegada má conduta deixou a Deutsche Bahn com 600 milhões de euros em custos desnecessários.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso pago, conteúdo em inglês).

Bloomberg

Exportações e importações chinesas em novos recordes

O comércio externo da China registou um crescimento homólogo de 20,5% em novembro, um desempenho mais forte do que o esperado, com as exportações e importações a registarem novos recordes graças ao aumento da procura externa em antecipação da época festiva do final do ano e a retoma da produção interna após o alívio dos cortes de energia. As exportações chinesas, denominadas em yuans, aumentaram 16,6%, em relação a novembro de 2020, para 2,09 biliões de yuans (289 mil milhões de euros). Já as importações subiram 26%, ascendendo a 1,63 bilião de yuans (226 mil milhões de euros). Em novembro, o excedente comercial do país asiático fixou-se nos 460,7 mil milhões de yuans (64 milhões de euros), uma redução de 9,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Valor Econômico

Petrobras conclui venda de três centrais termoelétricas

A Petrobras, a maior empresa do Brasil, anunciou a conclusão da venda de três centrais termoelétricas à São Francisco Energia S.A., num negócio de 61 milhões de reais (cerca de 9,5 milhões de euros). A venda das três geradoras térmicas, localizadas em Camaçari, cidade do Estado da Bahia (nordeste), foi encerrada após “cumprimento das condicionantes precedentes” e o seu valor já leva em consideração os reajustes previstos em contrato, conforme explicou a empresa estatal. A operação faz parte do plano estratégico de desinvestimentos da Petrobras, que procura uma melhor alocação do seu capital “visando a maximização de valor e maior retorno à sociedade”.

Leia a notícia completa no Valor Econômico (acesso condicionado).

Associated Press

Criador do bitcoin vence processo em tribunal e mantém fortuna

Um tribunal da Florida deu razão ao cientista informático Craig Wright, que diz ser o criador do bitcoin, considerando que não é devedor de metade de 1,1 milhões de bitcoins (cerca de 44 biliões de euros) à família de David Kleiman, ex-sócio deste empresário australiano. A decisão permitiu a Craig Wright manter uma fortuna, naquela moeda virtual, no valor de dezenas de biliões de dólares. Este julgamento mediático foi fortemente técnico e o júri teve de ouvir explicações sobre o complexo funcionamento das criptomoedas e ainda sobre as origens ‘obscuras’ do nascimento do bitcoin. A deliberação demorou uma semana.

Leia a notícia completa na Associated Press (acesso livre, conteúdo em inglês).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Nas notícias lá fora: pensões, Deutsche Bahn e Petrobras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião