PCP contra venda da Efacec. “Não garante” papel estratégico para o país

  • Lusa
  • 25 Fevereiro 2022

Reprivatização da Efacec, aprovada pelo Governo esta quinta, "não garante nem o futuro, nem o papel estratégico” que a empresa “deve ter ao serviço do desenvolvimento da economia”, diz PCP.

O PCP insurgiu-se contra a reprivatização da Efacec ao grupo português DST, por considerar que “não garante nem o futuro, nem o papel estratégico” que a empresa poderia ter no desenvolvimento económico do país.

Em comunicado, os comunistas consideram que a reprivatização de uma empresa, “que ao longo da sua existência teve por diversas vezes intervenção pública, não garante nem o futuro, nem o papel estratégico” que a Efacec “pode e deve ter ao serviço do desenvolvimento da economia” de Portugal.

Na ótica do partido, o Estado “não pode, como tem acontecido recorrentemente, ser chamado a intervir em empresas privadas, quando estas se revelam incapazes de honrar os seus compromissos, injetar significativos recursos públicos” e depois reprivatizá-las.

O PCP acrescenta que uma vez feita a nacionalização, a Efacec deveria ter continuado na esfera pública e o Governo, liderado pelo socialista António Costa, deveria ter criado “todas as condições para o desenvolvimento e robustecimento” da empresa, de modo a valorizar os “mais de 2.000 trabalhadores” que nela trabalham e a integrar a Efacec no tecido industrial do país.

O Governo aprovou na quinta-feira, em reunião do Conselho de Ministros, a venda da Efacec ao grupo DST, o único que apresentou uma proposta final de aquisição dos 71,73% que estão nas mãos do Estado.

O anúncio foi feito pelo secretário de Estado das Finanças, João Nuno Mendes, que disse que esta era a melhor proposta, uma vez que “permite acautelar os interesses do Estado”, considerando também a situação financeira da empresa.

A Efacec é uma empresa dos setores da energia, engenharia e mobilidade.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PCP contra venda da Efacec. “Não garante” papel estratégico para o país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião