Seis organizações ambientalistas consideram “escandaloso” o orçamento do Fundo Ambiental

  • Lusa
  • 16 Março 2022

As seis organizações criticam falta de investimento no restauro ecológico e em projetos com qualidade de conservação da natureza e da biodiversidade no orçamento do Fundo Ambiental.

Organizações ambientalistas consideraram esta quarta-feira o orçamento do Fundo Ambiental para 2022 o “mais escandaloso de sempre”, já que apoia todos os setores “menos a natureza”.

A crítica é feita num comunicado assinado por seis organizações ambientalistas e surge em resposta ao anúncio do Ministério do Ambiente e da Ação Climática de que o Fundo Ambiental tem para este ano um orçamento de 1.125 milhões de euros, “o maior de sempre”.

As seis organizações dizem que no orçamento falta investimento no restauro ecológico e em projetos com qualidade de conservação da natureza e da biodiversidade.

E acrescentam que tem apoios diretos, sem concurso, de milhões para institutos públicos, universidades e empresas públicas, mas nada para o restauro da natureza, na década do Restauro da Natureza da ONU e no mês em que a Comissão Europeia publicará a Lei de Restauro da Natureza.

As organizações não governamentais lamentam e consideram imoral que o investimento para remover espécies invasoras e apoio a algumas ações do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) sejam os únicos valores atribuídos para conservação de espécies e habitats.

“Discutíveis são também os financiamentos para municípios, como por exemplo um milhão de euros atribuídos para limpeza de praias e classificados como mitigação de alterações climáticas, ou os quatro milhões para visitação de Áreas Protegidas classificados como proteção e conservação da natureza e biodiversidade”, dizem as organizações na apreciação do orçamento.

Na Europa, acrescentam, 63% das espécies e 81 % dos habitats protegidos estão em mau estado de conservação e Portugal “infelizmente, não investe o suficiente para reverter esta realidade”.

As organizações pedem que o Governo invista na conservação, que apresente metas sérias e ambiciosas de restauro dos ecossistemas marinhos, terrestre e de água doce, e que olhe para o restauro da natureza como uma forma importante de atingir as metas climáticas.

Assinam o documento a Associação Natureza Portugal, em associação com a WWF (ANP/WWF), Associação Portuguesa para a Conservação da Biodiversidade (FAPAS), Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), Liga para a Proteção da Natureza (LPN), QUERCUS – Associação Nacional de Conservação da Natureza, e Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Seis organizações ambientalistas consideram “escandaloso” o orçamento do Fundo Ambiental

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião