Preço da roupa da Zara vai aumentar 2% em Portugal

  • Lusa
  • 16 Março 2022

O líder da Inditex, que detém a Zara ou a Massimo Dutti, garante que não haverá “impactos imediatos” significativos no preço do vestuário e diz que vai continuar a apostar em fornecedores portugueses.

O futuro presidente executivo do grupo Inditex, Óscar García Maceiras, acredita que os preços finais da roupa que a empresa vende “vão continuar estáveis”, eventualmente “com ajustes”, mas sem “impactos imediatos” significativos devido ao aumento dos preços da energia provocado pela invasão da Rússia à Ucrânia.

Durante a apresentação dos resultados de 2021, o gestor que a 1 de abril vai substituir Pablo Isla como presidente executivo da empresa galega — detém marcas como a Zara e a Massimo Dutti — estima um aumento dos preços da roupa que vende, em média, de 5% a nível mundial e de 2% em países como Espanha e Portugal na próxima estação.

Por outro lado, o responsável garantiu que a empresa que é líder mundial na venda de roupa a retalho vai “continuar a apostar” nos fornecedores portugueses, por razões “históricas” e de “proximidade”. “A produção de proximidade é chave e vamos continuar a confiar neles [fornecedores portugueses], também por razões históricas e pelo carinho que temos”, disse.

Também presente na conferência de imprensa, o ainda presidente executivo, Pablo Isla, desvalorizou o impacto do fecho das 500 lojas que a Inditex tem na Rússia, assegurando que os Estados Unidos da América passaram a ser o segundo maior mercado dos produtos da empresa, depois da Espanha.

Em relação à Rússia, García Maceiras estima que a suspensão seja temporária e que o seu objetivo é retomar as operações naquele país “logo que a situação o permita”. “Estamos a acompanhar de perto a situação e vamos avaliar o que fazer”, acrescentou. A Inditex emprega mais de 9.000 pessoas na Rússia e no encerramento do exercício financeiro tinha 85 lojas na Ucrânia.

A Europa, sem Espanha, contribuiu com 48,4% das vendas para o grupo e os Estados Unidos da América registaram um aumento de quatro pontos para 17,5%. Por marcas, Zara e Zara Home faturaram em todo o mundo mais 39%, Pull & Bear 32%, Massimo Dutti cresceu 30%, Bershka 23%, Stradivarius 42% e Oysho 15%.

A multinacional, que se define como “uma das maiores empresas de distribuição de moda do mundo”, foi fundada em 1963 como uma pequena empresa sediada na província espanhola de La Coruña e tem agora uma presença em quase uma centena de países.

Lucros aumentaram 193% em 2021

O grupo Inditex teve um lucro de 3.243 milhões de euros no seu exercício fiscal de 2021, que fechou no final de janeiro, mais 193% do que o obtido em 2020. A multinacional galega informou hoje o mercado que as vendas aumentaram em 36%, para 27.716 milhões de euros, em 2021. O ano a seguir ao início da pandemia de Covid-19, em que muitas lojas estiveram fechadas durante vários meses.

Os lucros antes de impostos, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) atingiram os 7.183 milhões de euros, um aumento de 57,8%, enquanto o número de empregados era de 165.042 em todo o mundo no final de janeiro, em comparação com 144.116 um ano antes.

Durante o exercício de 1 de fevereiro de 2021 a 31 de janeiro de 2022, a empresa aumentou as vendas online em 14%, para 7,5 mil milhões de euros, depois de no exercício anterior (2020) ter tido um aumento de 77%.

O Conselho de Administração vai solicitar aos acionistas da empresa que aprovem um dividendo de 0,93 euros por ação, um crescimento de 33% em relação a 2020, composto por um dividendo ordinário de 0,63 euros por ação e um dividendo extraordinário de 0,30 euros. A direção da maior empresa espanhola em termos de capitalização na bolsa também avançou com a proposta de um dividendo extraordinário de 0,40 euros por ação para 2022, a pagar em 2023.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Preço da roupa da Zara vai aumentar 2% em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião