Estado tem 717 imóveis inativos ou devolutos

Lista atualizada dá conta de 717 imóveis "em inatividade, devolutos ou abandonados", pertencentes ao Estado. Há habitações, terrenos, armazéns e até residências de estudantes.

O Estado tem 717 imóveis inativos, devolutos ou abandonados, espalhados de norte a sul do país. Os dados foram publicados esta quinta-feira em Diário da República, através da publicação da lista atualizada do património imobiliário público sem utilização. Da lista fazem parte habitações, terrenos, armazéns e até residências de estudantes.

A lista “identifica, por município, os imóveis do domínio privado do Estado ou dos institutos públicos e os bens imóveis do domínio público do Estado que se encontram em inatividade, devolutos ou abandonados”, refere o despacho. De acordo com as contas do ECO, no documento com quase 50 páginas contam-se 717 imóveis em vários concelhos e sob tutela dos vários Ministérios e entidades públicas.

No concelho de Lisboa há três imóveis, entre os quais a Torre do Galo, na Ajuda. Já no concelho do Porto contam-se seis imóveis, incluindo um terreno, uma moradia, dois prédios e uma loja.

Montalegre (23), Arcos de Valdevez (22), Vila Pouca de Aguiar (17), Tavira (17), Marinha Grande (15), Setúbal, Chaves (14), Bragança (13), Cabeceiras de Basto (11) e Évora (10) são os concelhos com mais imóveis devolutos, de acordo com a lista. Nestes municípios estão, maioritariamente, casas florestais, armazéns, casas de habitação, casas de magistrados e algumas lojas.

Na lista encontram-se ainda dez residências para estudantes atualmente inativas ou devolutas, nomeadamente em Alcácer do Sal, Alijó, Estacada (Bragança), Chaves, Fornos de Algodres, Miranda do Douro, Mogadouro, Odemira, Régua e Vimioso. O ECO questionou o Ministério da Educação para perceber os motivos para estes edifícios estarem inutilizados, tendo em conta a falta de camas para estudantes, bem como se há planos para os colocar a uso, mas ainda não obteve resposta.

“A atualização semestral da lista do património imobiliário público sem utilização” será feita “sempre que tal se justifique”, lê-se no despacho publicado esta quinta-feira e assinado pelo secretário de Estado do Tesouro e pelo secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local.

O Ministério da Habitação, mais concretamente o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), também estão a fazer um levantamento dos imóveis devolutos com capacidade para serem destinados à habitação. O último balanço, feito em outubro de 2021 pelo ministro Nuno Santos, dava conta de 1.020 imóveis do Estado, dos quais 645 estavam devolutos.

Consulte no documento todos os imóveis identificados

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estado tem 717 imóveis inativos ou devolutos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião