Ex-CEO da Galp saiu em fevereiro de 2021 com mais de 4 milhões em remunerações

  • Lusa
  • 29 Março 2022

No total, a gestão da Galp, que inclui a atual equipa e a equipa cessante, auferiu, em remunerações ilíquidas, 10,9 milhões de euros em 2021.

O antigo presidente executivo (CEO) da Galp Carlos Gomes da Silva saiu da empresa, em fevereiro de 2021, com mais de 4,1 milhões de euros, representando cerca de 38% do total de remunerações pagas pela companhia no ano passado.

Segundo um dos relatórios de governo societário da companhia, divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o ex-CEO, que foi em fevereiro substituído por Andy Brown, recebeu, a título de remuneração fixa ilíquida, 158.333 euros, mas na rubrica “outros”, onde se incluem “pensões e benefícios, tais como subsídio de habitação e montantes de compensações pagas em 2021 aos quatro administradores executivos que renunciaram em 2021”, contabilizou mais 3,95 milhões de euros, o que resulta num total de remuneração ilíquida 4,1 milhões de euros.

Por sua vez, o novo CEO, Andy Brown, auferiu, no ano passado, 1,23 milhões de euros, sendo que, destes, 887.803 euros foram a título de remuneração fixa líquida e 348.617 euros na rubrica “outros”, de acordo com o relatório.

No total, a gestão da Galp, que inclui a atual equipa e a equipa cessante, auferiu, em remunerações ilíquidas, 10,9 milhões de euros em 2021, segundo o mesmo documento.

Em 12 de janeiro do ano passado, a Galp comunicou ao mercado a renúncia de Carlos Gomes da Silva da presidência da Comissão Executiva.

Na mesma nota, a Galp informou que Carlos Gomes da Silva “apresentou a sua renúncia aos cargos de vice-presidente do Conselho de Administração” do grupo, bem como “aos demais cargos de administração exercidos pelo mesmo em sociedades ou entidades participadas” pela empresa.

“A intenção de apresentação da referida renúncia foi oportunamente consensualizada” entre Carlos Gomes da Silva e a presidente do Conselho de Administração da Galp, Paula Amorim, “assegurando as condições para uma transição estruturada e com plena normalidade de funcionamento dos órgãos de governo” do grupo, de acordo com o comunicado.

A Galp anunciou ainda, na altura, que, para desempenhar as funções até aqui exercidas por Carlos Gomes da Silva, o Conselho de Administração “deliberou dever ser cooptado o senhor Andy Brown”, informando nessa altura que a cooptação deveria “tornar-se efetiva no dia 19 de fevereiro de 2021”.

No entanto, o Conselho de Administração da empresa decidiu antecipar para o dia 05 de fevereiro o início de funções do novo presidente executivo. A Galp irá realizar a sua assembleia geral anual de acionistas no dia 29 de abril.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Ex-CEO da Galp saiu em fevereiro de 2021 com mais de 4 milhões em remunerações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião